Ponte em Numão / Ponte da Zaralhôa

IPA.00011410
Portugal, Guarda, Vila Nova de Foz Côa, Sebadelhe
 
Ponte romana ou medieval, de cantaria, em aparelho isódomo, suportada por dois arcos plenos com o mesmo diâmetro, tabuleiro plano, pavimento lajeado e guardas em cantaria.
Número IPA Antigo: PT010914110090
 
Registo visualizado 1010 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Transportes  Ponte / Viaduto  Ponte pedonal / rodoviária  Tipo arco

Descrição

Ponte construída em cantaria de granito, em aparelho isódomo, formando amplo muro e dois arcos de volta perfeita, de igual diâmetro e com aduelas de dimensão uniforme. Tabuleiro plano, com pavimento lajeado, assente directamente sobre os arcos, coberto de terra batida e silvados, não apresentando continuidade em calçada mas apenas em caminho rural. Possui vestígios de guardas, compostas de blocos de granito a O..

Acessos

EN 222-4, com acesso a partir do cruzamento da Sequeira, apanhando-se a estrada do Vezúvio; chegando ao cruzamento que leva a Custóias do Douro, segue-se ainda por aquela estrada mais uns metros até encontrar um caminho de terra batida (Quinta do Chão Pereiro); entra-se neste e segue-se sempre até encontrar a ponte, virando à direita quando se avista a ribeira. WGS84 (graus decimais) lat.: 41.070157º, long.: -7.276897º.

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Rural, isolado e distante do aglomerado urbano, implantado com a orientação O. -E.. Lançada sobre a Ribeira Teja, afluente do Rio Douro que marca o limite entre as freguesias de Freixo de Numão e Numão, em zona paisagística declivosa, a cerca de 420 m. de altitude. Em redor, distribuem-se hectares de vinhas, acedendo-se à ponte por caminhos de terra batida. Do local avista-se o Castelo de Numão (v. PT010914110002).

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Transportes: ponte

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: municipal

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Época romana (conjectural) / Séc. 13 / 14 (conjectural)

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Época romana - hipotética construção; o facto de terem sido detectados diversos achados da época romana que apontam para a existência de uma "vicus" importante em Numão e de uma "civitas" em Freixo de Numão, poderá justificar a construção da ponte; séc. 13 / 14 - provável construção ou reconstrução da ponte *1; séc. 20 - construção da Barragem do Catapereiro, provocando o alagamento periódico do imóvel, ficando submersa, sobretudo no inverno.

Dados Técnicos

Estrutura mista.

Materiais

Estrutura em cantaria de granito.

Bibliografia

COIXÃO, António do Nascimento Sá, Carta Arqueológica do Concelho de Vila Nova de Foz Côa, Vila Nova de Foz Côa, 1996.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Nada a assinalar.

Observações

*1 - a ponte tem levantado divergência de opiniões quanto à sua origem; o arqueólogo António Coixão não concorda com a tese dos que defendem a origem romana da ponte, referindo que esta apresenta características de construção que apontam para o período tardo-medieval, senão mesmo moderno, podendo estar, porventura, a sua construção, aliada ao momento da transferência lenta do poder de Numão para Freixo de Numão, o que aconteceu, precisamente, nos séculos 13 / 14; este período coincide, igualmente, com as obras de construção e reconstrução mandadas fazer pelo Rei D. Dinis nas antigas fortificações.

Autor e Data

Cristina Simões 2004

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login