Ponte Romana de Carlão

IPA.00013172
Portugal, Vila Real, Alijó, União das freguesias de Carlão e Amieiro
 
Arquitectura de comunicações e transportes, oitocentista. Ponte de arco com tabuleiro plano sobre um único arco de volta perfeita.
Número IPA Antigo: PT011701030076
 
Registo visualizado 924 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Transportes  Ponte / Viaduto  Ponte pedonal / rodoviária  Tipo arco

Descrição

Ponte de tabuleiro horizontal sobre um único arco de volta perfeita, de grande amplitude, assente nos afloramentos rochosos de ambas as margens, com aduelas estreitas e compridas de extradorso irregular e exibindo no intradorso o conjunto de baldoeiros de armação do cimbre. Os paramentos laterais são constituídos por fiadas de bom aparelho isódomo. Pavimento alargado sobre placa de betão, assente em tábuas de madeira, ainda visíveis, coberta por asfalto e com passeios em lajes de granito, sendo as guardas em gradeamento de ferro. Perto da ponte existe silhar de granito tendo em cartela, de ângulos cortados, a seguinte inscrição "A OBRA MONICI / PAL DO CON[CE]LHO / DE ALEJÓ LEMITE / DE CARLÃO 1860".

Acessos

EN. 212-1. VWGS84 (graus decimais) lat.: 41,327550; long.: -7,368627

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Rural, isolado. Ergue-se sobre o rio Tinhela, a jusante das Caldas de Carlão, possuindo nas proximidades restos de uma antiga calçada romana.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Transportes: ponte

Utilização Actual

Transportes: ponte

Propriedade

Pública: municipal

Afectação

Época Construção

Séc. 19 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Séc. 03 - Construção de uma primitiva ponte romana; 1739 - destruição da ponte durante uma cheia; 1758 - nas Memórias Paroquiais as águas do local são referidas sem qualquer denominação, informando-se que nasciam debaixo de grandes fragas e eram usadas pelas gentes das povoações vizinhas como remédio para várias doenças que, para isso, se abrigavam em cabanas de ramagens; 1810 - o Dr. Francisco Tavares, médico de D. Maria I, na sua obra "Ilustrações - Cautelas - Práticas, etc" descreva as águas como sulfurozas; refere não haver no local banhos próprios e que esses se tomavam em tinas ou em poços, cobertos com cabanas de ramadas; 1860 - reconstrução da ponte apenas a expensas da Câmara Municipal de Alijó, conforme atestado pela inscrição; apesar dos moradores dos concelhos de Miranda, Mogadouro, Moncorvo, Vila Flor e outros utilizarem a via onde se integrava a ponte para levarem as mercadorias para Porto e Braga, e de terem sido prejudicados pela impossibilidade de circulação na ponte, não contribuiram para a sua reconstrução; séc. 20 - alargamento do tabuleiro, com colocação de placa de betão, aplicação de asfalto no pavimento e colocação de guardas de ferro.

Dados Técnicos

Estrutura mista.

Materiais

Estrutura em cantaria de granito; placa de betão aplicada sobre tábuas de madeira; pavimento em asfalto e passeios em cantaria de granito; guardas em ferro.

Bibliografia

LEAL, Augusto Soares d'Azevedo Barbosa de Pinho, Portugal Antigo e Moderno, vol. 2, Lisboa, 1874; LEITÃO, Fernando Rodrigues, Monografia do Concelho de Alijó, Lisboa, 1963; s.a., Concelho de Alijó, Alijó, 1995; SERENO, M., Caldas de Carlão Mas Porquê?, Mirandela, 1974.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Séc. 20, 2ª metade - alargamento do pavimento, com colocação de placa de betão sobre a estrutura de cantaria.

Observações

Das quatro vias do itenerarium de Antonino que ligava Astorga (Asturica) a Braga (Bracara Augusta), duas atravessavam o concelho de Alijó. Uma delas entrava no concelho por Noroeste, entre as Caldas de Carlão e a foz do rio Tinhela, atravessava Carlão, que a toponímica antiga designa de "carrio", numa nítida alusão à via. O seu traçado ainda pode ser reconstituído devido aos numerosos restos da calçada que ainda existem, e nas pontes romanas de Cheires (Ribeira), Sanfins do Douro (Rei de Moinho) e Carlão (Caldas), que liga o concelho de Alijó ao de Murça. O aproveitamento terapêutico das águas de Carlão pelos romanos é atestada pelas moedas e espólio cerâmico encontrados no local e por uma tina quadrangular aberta na rocha junto à nascente do rio.

Autor e Data

Paula Noé 2004

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login