Edifício da Caixa Geral de Depósitos, CGD, de Leiria

IPA.00016884
Portugal, Leiria, Leiria, União das freguesias de Leiria, Pousos, Barreira e Cortes
 
Arquitectura financeira, do séc. 20. Banco que foi, num grupo de 3 edifícios, a primeira filial da Caixa Geral de Depósitos projectado por Chorão Ramalho, constituindo-se, por esse motivo, definidora das linhas gerais para este programa. Questões como a localização dos terrenos, em zonas históricas e simultaneamente em áreas de transição da cidade, e a necessidade que havia de manter os espaços maleáveis e passíveis de serem aumentados ou alterados, consoante as necessidades dos serviços, limitando as estrutras fixas ao estritamente necessário, como escadas, elevadores e instalações sanitárias. Há um entendimento organicista do edifício, que deverá crescer e abrigar consoante as necessidades e não o oposto. Este foi, aliás, um dos pontos fundamentais para a decisão da demolição do edifício da Caixa Geral de Depósitos anterior, da autoria do Arquitecto Cristino da Silva, uma vez que a sua compartimentação interna já não respondia às necessidades dos serviços, e mesmo que se procurasse uma adaptação, como foi proposto inicialmente, havia que derrubar paredes, que eram estruturais, para tornar o todo compatível com o novo projecto de utilização.
Número IPA Antigo: PT021009120091
 
Registo visualizado 1310 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Serviços  Banco    

Descrição

Edifício de configuração paralelepipédica e planta de definição rectangular. A áreas que contemplam elementos de carácter fixo, como sejam as caixas de escadas, ascensores, condutas e instalações sanitárias traduzem-se exteriormente em 4 volumes opacos revestidos a cantaria, sendo as restantes áreas de trabalho e atendimento ao público revestidas por superfícies envidraçadas com caixilharia metálica de bronze ou cor de bronze, dotadas de um sistema de protecção solar constituido por lâminas pivotantes, que enriquece plasticamente as fachadas mediante a criação de jogos de sombra e luz.

Acessos

Praça Goa Damão e Diu

Protecção

Enquadramento

Urbano. Situado no centro da cidade, na proximidade da Praça Rodrigues Lobo, na transição entre uma zona de construção incaracterística, definida a sul, constituída por prédios de 3 e 4 pisos, e a zona histórica, constituída por casario antigo com 2 pisos de altura, que se espraia para norte. A construção do edifício, que ocupou o lote do antigo Mercado Municipal, implicou a redefinição do quarteirão e a consequente alteração da fisionomia do local, funcionando como elemento de charneira entre as zonas acima mencionadas, de características e silhuetas diferenciadas, e o espaço livre dos jardins e parque que acompanham o Rio Liz. A edificação deste novo volume contribuiu para a reordenação dos espaços urbanos envolventes.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Serviços: banco

Utilização Actual

Serviços: banco

Propriedade

Privada: pessoa coletiva

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 20

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITETOS: Diogo Forte Vaz (1980-1983); Jorge Vieira (séc. 20); Luís Cristino da Silva (1940-1941); Pedro Chorão (séc. 20); Raul Chorão Ramalho (1980-1983).

Cronologia

1940 - 1941 - construção do edifício da Caixa Geral de Depósitos com projecto do Arquiteto Luís Cristino da Silva; 1980 - demolição do edifício existente, apesar do projeto inicial do Arquiteto Raul Chorão Ramalho (1914-2002) ter contemplado a sua adaptação; contudo, as adaptações a realizar teriam que ser de tal forma perturbadoras da estrutura existente, dado que a sua compartimentação limitada e rígida não se coadunava com as características e exigências de espaço impostas pela nova organização funcional dos serviços; seria preciso demolir toda a zona central e a compartimentação das zonas laterais, incluindo o derrube de paredes estruturais; 1983 - parecer do IPPC relativamente ao projeto apresentado considerava que o volume do edifício seria demasiado impositivo para a zona histórica, uma vez que ocupa um quarteirão inteiro, e as frentes urbanas envolventes têm cérceas relativamente baixas e de pouca monumentalidade; o arquitecto contrapõe que o imóvel projectado permitirá uma revitalização da zona e ordenação urbanística; 1984 - inauguração das instalações.

Dados Técnicos

Materiais

Bibliografia

AAVV, Exposição Raul Chorão Ramalho Arquitecto, Almada, 1997; Luís Cristino da Silva. Arquitecto, Lisboa, 1998; Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério no ano de 1952, Lisboa, 1953.

Documentação Gráfica

IHRU: Arquivo Pessoal Raul Chorão Ramalho

Documentação Fotográfica

IHRU: Arquivo Pessoal Raul Chorão Ramalho

Documentação Administrativa

IHRU: Arquivo Pessoal Raul Chorão Ramalho

Intervenção Realizada

Observações

EM ESTUDO

Autor e Data

Sofia Diniz 2003 / Rute Figueiredo 2006

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login