Solar da Família Marrocos

IPA.00021070
Portugal, Castelo Branco, Idanha-a-Nova, União das freguesias de Monsanto e Idanha-a-Velha
 
Arquitectura residencial, novecentista. Palacete composto por zona de cultivo, dependências agrícolas e casa principal de dois e três pisos, adaptando-se ao terreno em declive. Fachadas rasgadas por vãos rectilíneos, de peitoril ou de sacada, surgindo, no piso inferior, pequenos óculos circulares; são flanqueadas por cunhais apilastrados e rematadas em cornija.
Número IPA Antigo: PT020505040164
 
Registo visualizado 171 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

Categoria

Monumento

Descrição

Planta rectangular, composta por amplo terreno, rodeado por muro alto ou pequeno murete, onde surgem, no lado O., várias dependências agrícolas e, no lado oposto, a casa principal, de planta rectangular irregular, de volumes articulados de disposição na horizontal com coberturas diferenciadas em telhados de quatro águas e nos corpos torreados, coberturas piramidais. Fachadas rebocadas e pintadas de branco, percorridas por embasamento de cantaria, flanqueadas por cunhais apilastrados e rematadas por cornija recortada, que se alteia sobre determinados elementos, com perfil rectilíneo ou curvo, e por beirada simples. Fachada principal virada a E., de dois e três pisos, adaptando-se ao desnível do terreno, com cinco panos limitados por pilastras colossais, rasgados por vãos rectilíneos, protegidos por duas folhas, tendo, nas janelas do primeiro piso, caixilharia de ferro; as janelas de sacada possuem guarda em granito, vazada, formando um entrelaçado. No extremo esquerdo, surge um óculo no piso inferior, uma janela de peitoril no imediato, a que corresponde, no terceiro, a pequena varanda alpendrada, envidraçada, sustentada por duas colunas com os capitéis decorados por elementos fitomórficos. O pano imediato tem dois óculos no primeiro, duas janelas de peitoril no segundo, a que correspondem duas de sacada no superior. O pano intermédio possui cinco óculos no primeiro piso e cinco janelas de peitoril em ambos os pisos superiores. O imediato, de maiores dimensões, tem dois andares e possui oito janelas no piso inferior, a que correspondem outras tantas no superior, as duas centrais a abrir para sacada comum. O pano do extremo direito possui portal de verga recta e moldura recortada, em cantaria, possuindo as insígnias da família, ao centro, ladeado por motivos florais e brincos; no piso superior, duas janelas de sacada. Fachada lateral esquerda, virada a S., marcada por muro, encimado por platibanda vazada, ornada por entrelaçados, rasgado, no extremo direito, por dois vãos rectilíneos, com moldura comum, em cantaria. Sobre o muro, é visível o corpo da casa, marcado por varanda alpendrada e envidraçada, assente em cinco colunas e dois colunelos de granito, com capitéis ornados por motivos fitomórficos, sendo o vão central de volta perfeita. No lado esquerdo, corpo torreado, com dois óculos entaipados. Fachada lateral direita, virada a N., tendo, no lado esquerdo, o corpo da casa principal, com porta no piso inferior, flanqueado por três janelas de peitoril, duas com moldura comum, e por três óculos circulares; no piso superior, seis janelas de peitoril. Sucede-se um muro cego, encimado por guarda vazada por entrelaçados e interrompido por acrotérios, que protege um terraço. Segue-se um corpo mais baixo, cego e pequena porta de verga recta. No extremo direito, dois portões rectilíneos, protegidos por grades em ferro, formando motivos fitomórficos estilizados na zona superior, flanqueados por pilares de cantaria, que sustentam vasos. Fachada posterior de dois pisos, com janelas de peitoril no piso inferior e varanda alpendrada aberta, no segundo. Sobre este, duas chaminés e corpo torreado de iluminação. INTERIOR não observado *1.

Acessos

Largo da Amoreira. WGS84 (graus decimais) lat.: 39,996550, long.: -7,144103

Protecção

Incluído na Zona de Protecção do Pelourinho de Idanha-a-Velha (v. PT020505040001) e da Catedral de Idanha-a-Velha (v. PT02050504010)

Grau

3 – imóvel ou conjunto de acompanhamento que, sem possuir características individuais a assinalar, colabora na qualidade do espaço urbano ou na ligação do tempo com o lugar, devendo ser preservado em tal medida. Incluem-se neste grupo, com excepções, os objectos edificados classificados como Valor Concelhio / Imóvel de Interesse Municipal e outras classificações locais.

Enquadramento

Urbano, isolado e ladeado por arruamentos urbanos. Ergue-se numa zona de pendor inclinado, com fachada virada a S. sobre embasamento. A fachada principal abre-se para um pequeno largo e nas proximidades localizam-se o Pelourinho de Idanha-a-Velha, o Forno Comunitário de Idanha-a-Velha (v. PT020505040162), os antigos Paços do Concelho, o Posto de Turismo, o Lagar de Varas (v. PT020505040075) e a Catedral de Idanha-a-Velha, que lhe fica fronteira.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Residencial: palacete

Utilização Actual

Residencial: casa

Propriedade

Privada: pessoa singular

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 20

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido

Cronologia

Séc. 20, início - data da construção do Solar.

Características Particulares

Supõe-se que o solar tenha sido construído sobre o antigo fórum romano. Constitui um corpo simples, com alguns elementos dinamizadores, como o trabalho artísticos das cantarias das sacadas e platibanda, a cornija recortada, que se alteia, com perfil rectilíneo ou curvo, bem como corpos torreados, um deles de iluminação, bem como a varanda alpendrada que percorre três das fachadas do imóvel. O portal de acesso possui as insígnias da família e decoração com pingentes. De destacar os portões laterais, com grades de inspiração Arte Nova e pilares encimados por vasos concheados.

Dados Técnicos

Paredes autoportantes.

Materiais

Estrutura em alvenaria de granito, rebocada e pintada; pilastras, cornija, modinaturas, sacadas, plantibandas, colunas, colunelos em cantaria de granito; portas e caixilharias de madeira; caixilharia do alpendre em ferro forjado; coberturas exteriores em telha lusa.

Bibliografia

MARCELO, M. Lopes, Beira Baixa - novos guias de Portugal, Lisboa, 1993; Roteiro Turístico do Concelho de Idanha-a-Nova, Idanha-a-Nova, 1994; Idanha-a-Nova - Roteiro Turístico, Idanha-a-Nova, Setembro 1995; NEVES, Vítor Manuel Leal Pereira, As aldeias de Monsanto, Idanha-a-Velha e Castelo Novo, Lisboa, 1996; GRAÇA, Eduardo e SANTO, Manuela Espirito, Aldeias Históricas de Portugal - Idanha-a-Velha e Monsanto, n.º 6, Lisboa, 2000; FARIA, Daniela Carvalho e GRILO, Eduardo, 50 Maneiras de conhecer o Concelho de Idanha-a-Nova, Idanha-a-Nova, 2000.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID; CMIAN

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Proprietário

Intervenção Realizada

Nada a assinalar.

Observações

*1 - não foi possível obter autorização dos proprietários para aceder ao logradouro nem ao interior do Solar.

Autor e Data

Luís Castro e Cláudia Alves 2005

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login