Ponte do Vouga / Ponte de D. João V

IPA.00025092
Portugal, Aveiro, Águeda, Macinhata do Vouga
 
Arquitectura de comunicações, quinhentista e setecentista. Ponte de tabuleiro com ligeiro cavalete, assente sobre quinze arcos. Três arcos pertencentes à reforma setecentista e doze da construção quinhentista. Dos arcos quinhentistas. o quarto e o quinto da série geral, são baixos, de desigual altura, para permitirem a rampa. O sétimo e o oitavo constituem o centro, e são dotados de pegões, alçando-se os talhamares.
Número IPA Antigo: PT020101100132
 
Registo visualizado 733 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

Categoria

Monumento

Descrição

Ponte de tabuleiro plano, formando ligeiro cavalete, assente sobre quinze arcos, semicirculares e em asa de cesto, desiguais entre si. O tabuleiro encurva na parte média, voltando-se para montante a concavidade. Guardas em ferro e passeios em paralelepípedos, ladeiam o pavimento alcatroado. Num dos acrotérios que ligam a guarda uma inscrição referindo o sua construção.

Acessos

EN 1, Rua da Ponte Vouga

Protecção

Inexistente

Grau

3 – imóvel ou conjunto de acompanhamento que, sem possuir características individuais a assinalar, colabora na qualidade do espaço urbano ou na ligação do tempo com o lugar, devendo ser preservado em tal medida. Incluem-se neste grupo, com excepções, os objectos edificados classificados como Valor Concelhio / Imóvel de Interesse Municipal e outras classificações locais.

Enquadramento

Urbano, isolado. Levanta-se sobre o rio Vouga ligando as duas margens, tendo a S. o afluente, o rio Marnel sobre o qual passa uma outra ponte (v. PT020101100006).

Descrição Complementar

Inscrição existente na ponte: ESTA OBRA MAN / DOV FAZER O SENH / OR DOM IOAM REI / DE PORTUGAL O Q (v) INTO 5 QEV (SIC) DEOS G(UAR)DE / 1713 A (NOS).

Utilização Inicial

Comunicações e transportes: ponte

Utilização Actual

Comunicações e transportes: ponte viária

Propriedade

Pública: municipal

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 15 / 18

Arquitecto / Construtor / Autor

Mestre Ryanho

Cronologia

1529, 26 de Fevereiro - alvará de D. João III que nomeava Jerónimo Gonçalves, fidalgo escudeiro, residente em São Pedro do Sul, "vedor e recebedor da obra da pomte que ora mamdo fazer no rio Vouga e sull". Foi seu construtor Mestre Ryanho "mestre que foy da obra da ponte da dita villa"; 1713 - reforma joanina; 1791 - ordenava-se uma vistoria minuciosa da ponte, por peritos; séc. 19 - foi adaptada ao novo sistema de viação; 1930 - alargamento do tabuleiro; 1996 - a JAE entrega a ponte ao município; 2002 - inspecção efectuada à ponte revela deficiências estruturais; 2011, 12 Novembro - a ponte ruiu devido ao mau tempo.

Características Particulares

A Ponte joanina apresenta dois períodos distintos de construção, a do séc. 16 e do 18, distinguindo-se a as duas partes pelo aparelho utilizado e o traçado. Pertencem ao séc. 18, seguindo de sul para norte os três primeiros arcos; os doze restantes são quinhentistas. A obra setecentista teve por fim libertar dos lodaçais e inundações o trajecto inferior, elevando o pavimento por meio de arcos e não por terraplenos, para que as águas das enchentes se escoassem facilmente. Esses três arcos são perfeitos de traçado e execução. (GONÇALVES:1959). Os arcos antigos encontram-se siglados, pertencendo grande parte desses sinais ao alfabeto gótico final.

Dados Técnicos

Estrutura autoportante

Materiais

Grês vermelho local

Bibliografia

GONÇALVES, A. Nogueira, Inventário Artístico de Portugal, Distrito de Aveiro, Zona - Sul, Lisboa, 1959

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN / DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

JAE: 1930 - obras de alargamento através da colocação de grandes cachorros de cimento que suportam não só os passeios como também parte da faixa de rodagem.

Observações

Das obras do séc. 18 fazia parte: "A jusante do mesmo lado sul, acrescentou um embarcadouro bem lançado. A reforma da parte antiga a que se procedeu nessa altura limitou-se à renovação, em profundidade variável, das aduelas altas dos arcos e à consolidação dos pilares e esporões, renovamento do pavimento e guardas."

Autor e Data

Cecília Matias 2006

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login