Ermida de Santa Bárbara

IPA.00025447
Portugal, Ilha de São Miguel (Açores), Povoação, Povoação
 
Ermida de fundação quinhentista, considerada uma das primeiras a ser construída na ilha de São Miguel, mas reconstruída em 1798, duas outras vezes na segunda metade do séc. 19 e no séc. 20, tendo-se adulterado completamente a sua traça, esquema de iluminação e características. Atualmente apresenta planta composta por nave e capela-mor, tendo adossado anexos, de ambos os lados, interiormente com ampla iluminação axial e bilateral. As fachadas são percorridas por soco e têm os cunhais de cantaria, a principal terminando em frontão triangular estreito, ladeado por pináculos piramidais sobre plinto almofadado, e rasgada por portal em arco de volta perfeita encimado por janela jacente. As fachadas laterais terminam em platibanda plena, escondendo o arranque dos telhados, e são rasgadas, na nave, por porta travessa entre janelas e, na capela-mor da lateral direita, por janela retilínea. Nos anexos abrem-se lateralmente janelas em arco, mas a porta de acesso exterior é de verga reta. A fachada posterior da capela-mor é cega e termina em empena.
Número IPA Antigo: PT072104050005
 
Registo visualizado 107 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Capela / Ermida  

Descrição

Planta retangular composta por nave e capela-mor, tendo adossado de ambos os lados um corpo, o da fachada esquerda retangular e o da oposta quadrangular. Volumes articulados, com coberturas diferenciadas, em telhados, de duas águas na capela, ocultos pelo remate das fachadas, em platibanda plena ou empenas alteadas, capeadas a cantaria. Fachadas rebocadas e pintadas de branco, percorridas por soco de cantaria rematado em cornija, com cunhais apilastrados, coroados por pináculos piramidais, sendo os da frontaria maiores e assentando em plintos paralelepipédicos, almofadados Fachada principal virada a sul, terminada em frontão triangular, coroado por cruz latina, em ferro, sobre acrotério, e rasgada por portal em arco de volta perfeita e, superiormente, por janela retangular jacente. As fachadas laterais têm a nave rasgada por porta travessa entre duas janelas, em arco de volta perfeita, abrindo-se ainda na lateral direita uma outra porta de verga reta e moldura simples; os corpos adossados possuem, virados a sul, porta de verga reta com moldura mais larga e rematada em cornija na zona da bandeira da porta; no corpo da esquerda, abre-se ainda, a oeste, duas janelas de peitoril em arco e, na oposta, uma janela igual no anexo e uma retilínea na capela-mor. Fachada posterior cega, com a capela-mor terminada em empena e os anexos em empena reta.

Acessos

Povoação; Lomba do Carro. WGS84 (graus decimais) lat.: 37,749199; long.: -25,248749

Protecção

Em vias de classificação

Grau

5 - registo em pré-inventário com um preenchimento mínimo dos campos… e pressupondo a existência de um registo iconográfico.

Enquadramento

Rural, isolado, no cimo da encosta sobranceira à vila, virado ao mar, desenvolvendo-se numa cota sensivelmente inferior o cemitério da freguesia. Implanta-se numa plataforma artificial, adaptada ao declive do terreno, mais acentuado junto ao ângulo posterior direito da ermida, onde existe alto soco de sustentação da mesma. A plataforma forma adro arrelvado, vedado por muro, acedido por estrada, e a partir do qual se desfruta de amplo panorama sobre a paisagem envolvente e Povoação.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Religiosa: capela

Utilização Actual

Armazenamento e logística: armazém do cemitério

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese de Angra)

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 18 / 19 7 20

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Séc. 15 - época provável de construção da primitiva capela, sob iniciativa de Mateus Dias, sendo considerada o primeiro templo construído na ilha, no local onde os primeiros povoadores celebraram a primeira missa; 1751, 30 agosto - o visitador Bernardo Martins de Medeiros acha a ermida com necessidade de reformar os ornamentos ou arranjar novos, um par de galhetas e reforma nas bolças e cálice; 1765, 28 agosto - os vizinhos da ermida propõem ao bispo D. António Caetano da Rocha, que visitava a vila, mudar a ermida para a Lomba do Botão, por ser mais central e acessível à população; o Bispo diz que as populações das duas Lombas se devem pronunciar sobre o assunto, antes de se tomar uma decisão; como a população não se entende, acaba por não se fazer nada, acentuando-se a ruína da ermida; 1785, 28 agosto - o bispo D. António Caetano da Rocha, na sua visita, cria o curato de Santa Bárbara; 1788, 12 setembro - o visitador Pedro da Costa Medeiros pede que se façam obras e se comprem paramentos e alfaias para a ermida; 1798, 22 setembro - José Bento Pacheco, ao visitar a ermida diz que já havia sido reconstruída, com novo retábulo, que apenas faltava pintar e dourar; 1830 - ainda é sede de curato; 1864 - obras de reconstrução da ermida; 1879 - a ermida fica destruída com um tremor de terra, sendo depois reconstruída; 1894, 14 novembro - bênção da ermida que serve de curato sufragâneo; 1932 - sismo provoca estragos na ermida; 1933 - compra de paramentos e alfaias para o altar-mor por 395$00 e de sacrário por 558$00; 1980, década - o presidente da Câmara da Povoação, Medeiros Ferreira, sensibilizado pelo mau estado da ermida, manda recuperar parte da mesma; 2011, 09 março - por ser utilizada como arrecadação do cemitério municipal, forma-se o "Movimento para a Recuperação da Ermida de Santa Bárbara", com o objetivo de sensibilizar a população para a necessidade de recuperação do antigo templo, bem como de solicitar a sua classificação pela Direção Regional da Cultura.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Estrutura em alvenaria de pedra rebocada e pintada; soco, cunhais, pináculos e molduras dos vãos em cantaria de basalto aparente; portas e caixilharia de madeira; vidros simples; cruz em ferro; cobertura de telha.

Bibliografia

CANTO, E. - "Notícia sobre as Igrejas, Ermidas e Altares da Ilha de S. Miguel". In Insulana. Ponta Delgada: Instituto Cultural de Ponta Delgada, 2000, vol. LVI; DIAS, Urbano de Mendonça - História das Igrejas, Conventos e Ermidas Micaelenses - II. Vila Franca de Campo: Tipografia "A Crença", 1949; Direção Regional da Cultura classifica Ermida de Santa Bárbara de Interesse Público, (http://www.cm-povoacao.pt/pvc/index.php?option=com_content&view=article&id=622:direcao-regional-da-cultura-classifica-ermida-de-santa-barbara-de-interesse-publico&catid=3: destaques&Itemid=74),[consultado em 24 fevereiro 2015]; MATOS, António Marinho - Povoação - Evangelização, devoção e património cultural. Povoação: 2006; MEDEIROS, Octávio de - Livro do Tombo da Paróquia de Nossa Senhora Mãe de Deus, 1913 - 1939. Povoação, 2013.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: SIPA

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

PROPRIETÁRIO: 1933 - obras de reparação na ermida, devido aos estragos provocados pelo sismo, gastando-se 591$00 com mão-de-obra e 920$00 com materiais; 1981 - reconstrução da ermida, com demolição das torres; 2002, 02 janeiro - abertura de concurso público para recuperação e ampliação da ermida; os trabalhos constam de fundações, paredes, cobertura, revestimentos de pavimentos, caixilharias, acabamentos, rede elétrica e redes de águas e esgotos.

Observações

EM ESTUDO

Autor e Data

João Faria (no âmbito da parceria IHRU / Diocese de Angra) 2014 / Paula Noé 2015

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login