Bairro de Atouguia

IPA.00027205
Portugal, Braga, Guimarães, União das freguesias de Oliveira, São Paio e São Sebastião
 
Conjunto arquitetónico residencial multifamiliar. Habitação económica de promoção pública estatal (FFH), construída no âmbito do Plano Integrado de Guimarães. Conjunto de grande dimensão composto por edifícios multifamiliares em banda de cinco e dez pisos, formando quarteirão aberto.
Número IPA Antigo: PT010308600157
 
Registo visualizado 1996 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Conjunto arquitetónico  Edifício  Residencial multifamiliar  Habitação económica  Promoção pública estatal (FFH)  Plano Integrado de Guimarães (PIG)

Descrição

Conjunto habitacional constituído por 377 fogos e 16 lojas.

Acessos

Rua Associação Artística Vimaranense

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Urbano, situado a NO. do núcleo. Conjunto habitacional pertencente ao Plano Integrado de Guimarães (v. IPA.00033199). Adaptado ao declive do terreno, está delimitado pela rua Professor Doutor Arnaldo Sampaio. A área envolvente de cada bloco é pavimentada a betonilha esquartelada, possuindo lanços de escadas em betão armado; é pontuada por canteiros com vegetação rasteira e algumas árvores de pequeno porte. Na proximidade, erguem-se os Bairros de Creixomil (v. IPA.00027204), de São Gonçalo (v. IPA.00027210), e de Nossa Senhora da Conceição (v. IPA.00027202).

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Não aplicável

Utilização Actual

Não aplicável

Propriedade

Pública: Estatal de administração indireta

Afectação

Não aplicável

Época Construção

Séc. 20

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITETO URBANISTA: Carlos Carvalho Dias; ARQUITETO: Pedro Ramalho

Cronologia

1969, 28 maio - o Decreto-Lei n.º 49033, cria o Fundo de Fomento da Habitação (FFH), sob a forma de organismo com autonomia administrativa e financeira, com o propósito de inserir o fomento de habitação social na política de equipamento e integrar a política nacional de habitação com o planeamento urbano, contribuindo para a resolução do problema habitacional dos indivíduos não beneficiados pelas Caixas de Previdência ou outras instituições semelhantes; para o FFH, passam todas as atribuições do Ministério das Obras Públicas em matéria de habitação, até aí confiadas à Direção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (DGEMN) e também as competências do Gabinete de Estudos de Habitação, inserido na Direção-Geral dos Serviços de Urbanização (DGSU); 1970 - estudo de urbanização da zona NO. de Guimarães; 1973 - 1982 - construção do bairro; 1982, 29 maio - o Decreto-Lei n.º 214/82 extingue o FFH; o processo prolonga-se até 1987, período durante o qual a gestão do património do FFH está a cargo da Comissão Liquidatária do Fundo de Fomento da Habitação; 1987, 26 fevereiro - criação do Instituto de Gestão e Alienação do Património Habitacional do Estado (IGAPHE) pelo Decreto-Lei n.º 88/87, assumindo as funções do FFH; 2002, 5 novembro - fusão do IGAPHE com o Instituto Nacional da Habitação (INH) através do Decreto-Lei n.º 243/2002; 2007, julho - com a criação do Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU), a propriedade do bairro passa para este novo organismo.

Dados Técnicos

Estrutura de betão armado.

Materiais

Estrutura em betão armado; janelas com caixilharias em madeira e vidros simples; pavimentos em laje de betão armado, em parquet de madeira nos quartos e salas, em mosaico cerâmico em zonas de serviço e instalações sanitárias, em tijoleira nos patamares e caixa de escadas, em betonilha esquartelada nos pavimentos exteriores das áreas comuns e envolvente; cobertura em laje com telas de impermeabilização do tipo asfáltico.

Bibliografia

FERREIRA, António Fonseca - Por uma Nova Política de Habitação. Porto: Edições Afrontamento, 1987; TOSTÕES, Ana (coord.) - Portugal. Arquitectura do século XX, 1997; Jornal do IGAPHE. Lisboa, 1.º semestre 2003, ano V, n.º 17, p. 13.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: SIPA

Documentação Administrativa

IHRU (Bairro n.º 1148)

Intervenção Realizada

IGAPHE: 1995 - 1999 - obras de reabilitação do bairro; 2003 - intervenção ao nível das instalações elétricas e elevadores; 2007 - reparação de coberturas, substituição de impermeabilização, reparação da empena, substituição dos avançados, substituição de caixilharia, reparação do betão das escadas, reparação de elevadores, pintura das portas e aros dos elevadores, substituição dos ramais, substituição da coluna de água, reparação da coluna de esgotos, substituição das derivações dos contadores, reparação de fogo devoluto para nova atribuição, reparações diversas em fogos, colocação de guarda de acesso a um fogo, substituição de canalizações em fogos, substituição de banheiras e substituição de alcatifa; IHRU: 2008 - substituição de antenas, reparação de elevadores, reparação e substituição da coluna montante, obras de eletricidade, reparação e substituição da coluna de esgotos, reparações diversas em fogos, substituição de janelas em fogos, substituição de canalização em fogos e substituição de banheira; 2009 - obras diversas nos edifícios, reparação de coberturas e reparação de elevadores; 2010 - obras diversas nos edifícios.

Observações

Este conjunto residencial constitui uma das retomas de um programa habitacional anterior a 1974, e que havia ficado suspenso pelas operações SAAL. O projeto é um exemplo no seu tempo, em que o arquiteto optou pela configuração em blocos longos e torres, ao contrário das bandas de um ou dois pisos, que constituíram uma imagem de marca dos programas habitacionais desenvolvidos no Norte.

Autor e Data

Sónia Basto 2009

Actualização

Anouk Costa 2014
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login