Ponte do Arco

IPA.00000315
Portugal, Braga, Guimarães, União das freguesias de Serzedo e Calvos
 
Ponte medieval de tabuleiro em cavalete, com dois arcos de volta perfeita, desiguais, com guardas corridas e alguns silhares almofadados. Presença de aparelho rusticado em algumas aduelas. Após remodelação é inserida pedra destacada da guarda, trabalhada no remate e com uma inscrição, com marcas barrocas.
Número IPA Antigo: PT010308670015
 
Registo visualizado 1190 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Transportes  Ponte / Viaduto  Ponte pedonal / rodoviária  Tipo arco

Descrição

Ponte de granito de tabuleiro em cavalete assente em dois arcos de volta perfeita, em cantaria, com dimensões desiguais. A montante um talha-mar triangular entre os arcos. Guardas em granito apoiadas no tabuleiro, inexistentes pontualmente. A guarda a montante, apresenta ao eixo uma pedra elevada, estreita e presa com grampos ao pavimento, onde se lê do lado interior na parte inferior a inscrição: "Couto do Real Mosteiro de Pombeiro" e a data "1724" emoldurados por uma linha inscrita em forma de escudo e onde se desenha um ábaco. O remate da parte superior da pedra, apresenta-se destacado em forma de mitra com relevos vegetalistas. O pavimento, bastante irregular ainda conserva a calçada original. São visíveis do lado montante silhares almofadados. No geral, o aparelho é regular, com algumas fiadas pseudo-isódomas, notando-se, em algumas aduelas, aparelho rusticado e nos paramentos as marcas de alguns arranjos.

Acessos

Desvio da EN 101 (R. de S. Sebastião) em direcção a Vila Fria e Pombeiro

Protecção

Enquadramento

Rural, isolada, sobre o Rio Vizela, rodeada por campos e vinhas, estabelece a ligação entre Vila Fria e Serzedo. De cada lado construções rurais, algumas delas abandonadas. Para jusante o rio desce em requebras, junto das quais se implanta um moinho. Nas proximidades um pequeno troço de calçada romana.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Transportes: ponte

Utilização Actual

Transportes: ponte

Propriedade

Pública: municipal

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Época medieval

Arquitecto / Construtor / Autor

Cronologia

Época romana - Neste local cruzava o rio Vizela uma via romana que ligava Guimarães a Amarante; Época medieval - construção da actual ponte com utilização de materiais da anterior ponte romana; 1216 - a Ordem do Hospital tinha um hospital junto à ponte (FERNANDES: 1989); 1258 - os casais do Arco são adquiridos pelo Mosteiro de Pombeiro; 1724 - remodelação da ponte e colocação do marco delimitador do Couto de Pombeiro.

Dados Técnicos

Paredes autoportantes.

Materiais

Ponte e guardas em granito com tabuleiro em lajeado e em terra batida.

Bibliografia

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de, Vias Medievais de Entre Douro e Minho, Porto, 1968, p. 40; FERNANDES, M. Antonino, Felgueiras de ontem e de hoje, Felgueiras, 1989, p. 123 - 125.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

DGEMN: DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

1998 - Colocação de arames para protecção; sinaléctica nas vias de acesso.

Observações

Numa das extremidades na ponte encontra-se sinaléctica a indicar a Calçada Romana existente nas proximidades. Esta era uma das vias que ligavam "Bracara Avgusta" a "Emerita Avgusta", atravessando o rio Vizela neste local. Por esta ponte deveriam passar os peregrinos que iam para Santiago de Compostela e que podiam ser tratados numa torre com funções de Hospício e Albergaria edificada pelo Mosteiro de Pombeiro. Pode-se dizer que para cada um dos lados da ponte é possível encontrar elementos de arquitectura popular dignos de algum interesse. Na envolvente ainda não são visíveis construções dissonantes, talvez pela existência de acessos tortuosos.

Autor e Data

Isabel Sereno / António Dinis 1998

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login