Estação da Mala-Posta do Casal dos Carreiros

IPA.00003305
Portugal, Leiria, Caldas da Rainha, A dos Francos
 
Arquitectura de comunicações e transportes, oitocentista. Estação de malaposta com planta, e divisão interior, característica de estação de Mala-Postdama, adaptada às necessidades dos utentes daquele serviço. As estrebarias e a casa do estalajadeiro, hoje desaparecidas, ficavam nas traseiras.
Número IPA Antigo: PT031006010003
 
Registo visualizado 259 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

Categoria

Monumento

Descrição

Planta em U. Volumes articulados, cobertos por telhados de 3 águas nos corpos laterais e 2 águas no corpo central; chaminés sobre os corpos laterais. Fachada principal virada para a EN. 115. Porta principal de largo vão e verga redonda, aberta a meio do corpo central, 2 portas de vão menor e igual recorte nas fachadas laterais; janelas de verga redonda nasfrontarias dos corpos laterais, vãos semicirculares nos restantesalçados. Cunhais e pilastras nas fachadas laterais em almofadadosde cantaria. No interior o corpo central corresponde a uma sala ampla, os laterais a 3 quartos e uma casa de banho, rodeando a cozinha central, com lareira, em cada um dos corpos laterais.

Acessos

EN. 366, ao km. 11,220, na Estrada das Caldas da Rainha para Lisboa

Protecção

IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto n.º 129/77, DR, 1.ª série, n.º 226 de 29 setembro 1977

Grau

5 - registo em pré-inventário com um preenchimento mínimo dos campos… e pressupondo a existência de um registo iconográfico.

Enquadramento

Rural, isolado, à beira da estrada, no lugar de Carreiros.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Transportes e comunicações: estação de malaposta

Utilização Actual

Devoluto

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 19

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Séc. 19, inícios - a edificação da estação deve ter acompanhado a inauguração do primeiro serviço da Malaposta, com a construção do troço de estrada entre Lisboa e Porto: cada estação tinha um feitor, que à sua guarda mantinha todo o material; o interior funcionava como estalagem, fornecendo alimentação e dormida, sendo o estalajadeiro, de Inverno, obrigado a ter sempre a lareira acesa; 1864 - com a inauguração do caminho-de-ferro, entre Lisboa e o Porto, desaparece o serviço da Malaposta; 1973, 16 fevereiro - proposta de classificação de todas as malapostas existentes no país, pela Junta Nacional de Educação; 1974, 25 setembro - Despacho de homologação da classificação pelo Secretário de Estado dos Assuntos Culturais e Investigação Científica.

Características Particulares

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Cantaria e alvenaria de pedra calcária, telha cerâmica.

Bibliografia

GEPB, vol. 15, Lisboa, s.d.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Observações

EM ESTUDO.

Autor e Data

Isabel Mendonça 1992

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login