Povoado fortificado de Ázere

IPA.00003588
Portugal, Viana do Castelo, Arcos de Valdevez, União das freguesias de Grade e Carralcova
 
Aglomerado proto-urbano. Povoado da Época do Ferro com ocupação romana. Povoado fortificado / castro.
Número IPA Antigo: PT011601040002
 
Registo visualizado 215 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Conjunto urbano  Aglomerado urbano  Povoado  Povoado da Época do Ferro  Povoado fortificado  

Descrição

Povoado fortificado com número incerto de linhas de muralhas, adaptando-se à configuração do terreno, tendo a O. banquetas ou patamares e aproveitando os declives a N. e a S. para defesa natural. A meia encosta do monte, para S., habitação de planta circular com aparelho irregular e abertura a certa altura do solo, tendo ainda o pavimento interno mais elevado que o exterior. Uma outra construção descoberta tem planta quadrada e é de proporções mais exíguas. No alto do castro alicerces de capela com invocação de São Miguel, e medindo 6,50 m x 4,50 m.

Acessos

Protecção

MN - Monumento Nacional, Decreto de 16-06-1910, DG n.º 136 de 23 junho 1910

Grau

1 – imóvel ou conjunto com valor excepcional, cujas características deverão ser integralmente preservadas. Incluem-se neste grupo, com excepções, os objectos edificados classificados como Monumento Nacional.

Enquadramento

Monte. Implanta-se num monte a c. 2 km. da vila, na margem esquerda do rio Vez.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Não aplicável

Utilização Actual

Não aplicável

Propriedade

Afectação

Época Construção

Ferro

Arquitecto / Construtor / Autor

Não aplicável

Cronologia

Séc. 8 a. C. - primeira ocupação; séc. 2 - ocupação romana.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes

Materiais

Granito

Bibliografia

PEREIRA, F. Alves, Castelo de S. Miguel-o-Anjo, in O Archeologo Português, vol. 1, nº1, Lisboa, 1895, p. 161 - 175; idem, O Castelo de S. Miguel-o-Anjo - Mais alguns achados, in O Archeologo Português, vol. 4, nº 7 a 9, Lisboa, 1898, p. 231 - 238; ALVES, Lourenço, Aspectos da Cultura Castreja no Alto Minho, Sep. Rev. Caminiana, nº 3, Dez. 1980, Caminha, 1980; BAPTISTA, António Martinho, Adenda à noticia explicativa da Carta Geológica de Portugal, folha 1 - D (Arcos de Valdevez) - Arqueologia in Terra de Val de Vez, nº 9, Arcos de Valdevez, 1986, p. 97 - 116.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Observações

Bastante destruído e sem escavações arqueológicas sistemáticas que permitam estabelecer tipologias seguras. Como era usual procurou implantar-se em situação geográfica privilegiada, conjugando a defesa natural, através dos desníveis de terreno, com a artificial, através de construção de muralhas e as banquetas ou patamares. As casas apresentam planimetria diversa, de planta circular e quadrada. Em data ainda não averiguada construiu-se no topo capela com pedra pertencente ao castro; em 23 Nov. de 1893 foi visitado por Félix Alves Pereira. Entre o pouquíssimo espólio recolhido, Félix Alves Pereira refere moedas pertencentes a imperadores do séc. I, anel de bronze muito oxidado e 1 pedaço de cerâmica com ornamentação de feição primitiva.

Autor e Data

Paula Noé 1992

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login