Cava de Viriato

IPA.00003796
Portugal, Viseu, Viseu, União das freguesias de Viseu
 
Estrutura defensiva romana, em forma de polígono regular. Construção de grandes taludes de terra, ladeados de fosso. A existência primitiva de quatro grandes portas, indica que estava ordenado segundo dois eixos ortogonais.
Número IPA Antigo: PT021823280001
 
Registo visualizado 857 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Militar  Acampamento militar    

Descrição

Entrincheiramento de muros de terra, tem a forma de um octógono com mais de 2 Km. de perímetro. Actualmente, quatro dos lados conservam a sua forma regular. Taludes *1 arborizados, sendo, a parte superior, zona de passeios. Restos de fosso no lado NO. que ladeavam a construção, bem como vestígios em mais três lados.

Acessos

Campo de Viriato

Protecção

Categoria: MN - Monumento Nacional, Decreto de 16-06-1910, DG, 1.ª série, n.º 136 de 23 junho 1910 / ZEP, Portaria, DG, 2.ª série, n.º 48 de 26 fevereiro 1970

Enquadramento

Urbano, situa-se em terreno plano delimitado por Avenida e EN 2.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Militar: acampamento militar

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: estatal / Privada: pessoa singular

Afectação

DRCCentro, Portaria n.º 829/2009, DR, 2.ª série, n.º 163 de 24 agosto 2009

Época Construção

Séc. 01 a.C. (conjectural)

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

56 a.C. - hipotética data da construção, como acampamento permanente, abandonado pouco tempo depois; 1461 - o Cabido da Sé de Viseu tomou posse da cava em terras que até àquele tempo eram de reguengo, tinha então portas; 1728 - por ordem régia, ordenara-se que a cava fosse medida (tinha mais de 16 m. de altura em diversos pontos). dando-se notícia da existência de quatro grandes portas que tiveram cantaria, as Abravezes, Coval, Santiago e Aguieira; as sondagens foram feitas peloarquitecto Oratoriano Manuel Pereira; séc. 19 - parte superior da Cava transformada em passeios; fábrica de vidro instalada na cava, abrindo-se por essa ocasião o corte no ângulo dos muros a O.; 1888 - foi de novo medida, tendo-se apurado a altura de 10,5 m. e de comprimento total 216 m.. O segundo lance, contíguo a este, 240 m. de comprimento e o terceiro, caminhando para norte, 244 m.; 1992, 01 junho - o imóvel é afeto ao Instituto Português do Património Arquitetónico, pelo Decreto-lei 106F/92, DR, 1.ª série A, n.º 126; 2006, Março - queda de algumas árvores, provocada pela intempérie, nas imediações.

Dados Técnicos

Materiais

Terra batida.

Bibliografia

PROENÇA, Raul (Dir.), Guia de Portugal - Beira - II - Beira Baixa e Beira Alta, Lisboa, s.d.; AZEVEDO, Correia de, Arte Monumental Portuguesa, vol. IV, Porto, 1975; Tesouros Artísticos de Portugal, Dir. de José António Ferreira de Almeida, Lisboa, 1980; LEAL, Augusto Soares d'Azevedo Barbosa de Pinho, Portugal Antigo e Moderno - Dicionário, Vol. XII, Lisboa, 1980; ALARCÃO, Jorge de, A Cidade Romana de Viseu, Viseu, 1989; Viseu pela Imagem, Viseu, 1992; PEDRO, Ivone; VAZ, João L. Inês, ADOLFO, Jorge, Roteiro Arqueológico da Região de Turismo Dão Lafões, Viseu, 1994; VAZ, João L. Inês, A Civitas de Viseu, Espaço e Sociedade, 2 vols., s.l., 1997; BYRNE, Gonçalo; CUNHA, Luísa Maria Brito e; SIZA, Álvaro, Intervenções no Centro Histórico, in Monumentos, n.º 13, Lisboa, Setembro de 2000, pp. 92-95; FERNANDEZ, Sérgio, A acrópole e a cidade, in Monumentos, n.º 13, Lisboa, Setembro de 2000, pp. 52-55; ALVES, Alexandre, Artistas e Artífices nas Dioceses de Lamego e Viseu, vol. II, Viseu, 2001; Memória das legiões romanas perpetuada e requalificada - Polis recupera Cava do Viriato, in O Dia, 14-05-2002; Árvores caídas na Cava de Viriato continuam à espera de remoção, in Diário regional de Viseu, 02 Maio 2006; http://www.patrimoniocultural.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/70458 [consultado em 2 janeiro 2017].

Documentação Gráfica

DGEMN: DSID

Documentação Fotográfica

DGEMN: DSID

Documentação Administrativa

DGEMN: DSID

Intervenção Realizada

Observações

*1 - o talude foi, provavelmente, total ou parcialmente forrado a pedra, complementados com torreões e palissadas de madeira. *2 - estas intervenções estão em fase de planeamento, sendo promovidas pela Câmara Municipal de Viseu.

Autor e Data

João Carvalho 1996

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login