Ponte Medieval sobre o Rio Mouro

IPA.00000449
Portugal, Viana do Castelo, Monção, Barbeita
 
Arquitectura de comunicações e transportes, gótica. Ponte de arco lançada sobre grande declive rochoso, com um só arco e tabuleiro em cavalete. Assenta num arco pleno de aduelas compridas e estreitas e com estrutura curva.
Número IPA Antigo: PT011604040007
 
Registo visualizado 691 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Transportes  Ponte / Viaduto  Ponte pedonal / rodoviária  Tipo arco

Descrição

Tabuleiro formando cavalete, precedido por rampas de acesso e assente num amplo arco de volta perfeita. Pavimento de grandes lajes e guardas de blocos aparelhados e alvenaria rebocada.

Acessos

Barbeita, EN. 202. VWGS84 (graus decimais) lat.: 42,074832; long.: -8,394232

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 44 075, DG, 1.ª série, n.º 281 de 05 dezembro 1961

Enquadramento

Urbano. Ergue-se sobre margens de grande e profundo maciço rochoso sobre o rio Mouro, pequeno afluente da margem esquerda do Minho, separando a freguesia de Barbeita da de Ceivães. Nas proximidades ergue-se a Igreja Paroquialz, moinho e outras construções. Sobranceiro fica a ponte moderna.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Transportes: ponte

Utilização Actual

Transportes: ponte

Propriedade

Pública: municipal

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 14 (conjectural) / 17

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Séc. 14 - Época provável da sua construção; 1386, 1 Novembro - por ela passou o exército aquando do recontro do Duque de Lencastre, pretendente ao trono de Castela e Leão, com o do Mestre de Avis; depois, perto dali acamparam os 2 chefes militares que discutiram e assinaram um tratado que incluia o casamento de D. João I com D. Filipa de Lencastre; 1627 - recuperação da ponte por Amaro Franco, que recebeu oitocentos e oitenta mil reis; 1864 - a ponte ameaçava ruína iminente por falta de um freixo do lado S. e "já na abobeda e centro da mesma ponte, que não sendo remediado o mesmo perigo" podia resultar em despesa excessiva; 1882 - data da construção da ponte paralela à Ponte de Mouro; 1960, 1 Dezembro - a Câmara Municipal inaugura um padrão comemorativo relativo à assinatura do tratado; 2006 - o GTL da Câmara Municipal de Monção elaborou um plano de recuperação da zona, dividido em duas zonas de intervenção, a primeira que compreende o espaço entre a EN 202, a N., o Rio Mouro, a S. e o Cruzeiro de Nossa Senhora da Soledade, a O.; a segunda zona diz respeito à freguesia de Ceivães.

Dados Técnicos

Estrutura autoportante de cantaria com aparelho "vittatum".

Materiais

Estrutura de granito.

Bibliografia

ARAÚJO, José Rosa de, Caminhos Velhos e Pontes de Viana e Ponte de Lima, Viana do Castelo, 1962; ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de Alto Minho, Lisboa, 1987; ALMEIDA, José António Ferreira de, Tesouros Artísticos de Portugal, Porto, 1988; ROCHA, J. Marques, Monção. Uma Monografia, Monção 1988; Pontes Romanas de Portugal, [dir. Paulo Mendes Pinto], Lisboa, 1998; Monumento Histórico em Barbeita ( Montão ). Ponte de Mouro recebe trabalhos de recuperação, Correio do Minho, 21 Outubro 2000; Monção. Ponte de Mouro vai ser recuperada, Jornal de Notícias, 29 Outubro 2000; Monção. Ponte de Mouro corre risco de poder perder-se, Correio do Minho, 3 Janeiro 2001; Direcção-Geral de Edifícios vai conduzir as obras. Vinte e cinco mil contos para a muralha de Monção, Diário do Minho, 15 Janeiro 2001; Monção requalifica zona da Ponte do Mouro, in Diário do Minho, 28 Setembro 2006; Município requalifica zona da Ponte do Mouro, in O Primeiro de Janeiro, 30 Setembro 2006; Recuperar um pedaço de história, in Jornal de Notícias - Minho, 02 Outubro 2006; Município de Monção requalifica zona histórica de Ponte de Mouro, in Caminhense, 06 Outubro 2006.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID, DGEMN/DREMN

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID

Intervenção Realizada

1979 - Trabalhos de conservação; 1990 - reparações e limpeza geral; DGEMN: 2000 - obras de conservação geral; 2001 - obras de recuperação; Restauro das valetas da EN202; iluminação da zona envolvente (obras previstas para 2007).

Observações

O nome do rio está ligado à tradição, segundo a qual, no tempo dos mouros, vindo alguns cristãos sobre um mouro para o matarem, ele apertou as pernas ao cavalo, e invocou Santiago, dizendo que se o livrasse se converteria ao cristianismo. Santiago apareceu e salvou o cavaleiro mouro que depois se baptizou. Posteriormente, em memória deste facto, ergueu-se padrão simbólico. Muitos dizem que onde se fundou a ponte, existiam na rocha as pegadas do cavalo, as quais ficariam depois debaixo dela. O facto de assentar num arco pleno e o tipo de acessos leva-nos a pensar ter substituido uma outra ponte anterior, romana. Carlos Alberto Ferreira de Almeida insere-a no período de intensa actividade pontística do séc. 14 / 15, onde a sua construção passa a ser cada vez mais encabeçada pela autoridade pública do Corregedor e do Concelho.

Autor e Data

Paula Noé 1992

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login