Barragem Romana do Pego da Moura / Barragem do Pego da Mina / Barragem das Represas

IPA.00004662
Portugal, Setúbal, Grândola, União das freguesias de Grândola e Santa Margarida da Serra
 
Monumento hidráulico, cuja estrutura se identifica com a fábrica romana, pelo estudo da alvenaria a descoberto (MATEUS, 1895). O local foi o centro de exploração rural da actual várzea de Grândola. A azenha utilizaria a energia da queda de água produzida pela represa primitiva, já assoreada.
Número IPA Antigo: PT041505020010
 
Registo visualizado 878 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Hidráulica de contenção  Barragem  Barragem romana  

Descrição

Repreza de planta rectilínea; constituída por três muros justapostos, de traçado rectilíneo, de secção rectangular, provida de seis contrafortes a jusante, de 2,70 m de espessura, o comprimento de 2,90 m e o afastamento de 2,50 m. Actualmente, tem uma altura máxima de 3 m e desenvolve-se por 40 m. O núcleo é revestido por ambos os lados por dois paramentos de blocos arrumados, dispostos em fiadas aproximadamente paralelas, que se prolongam em continuidade pelos contrafortes. Dupla parede, cujo troço inicial se separou e basculou. Restos de uma abóbada de uma azenha *2.

Acessos

EN 261 a 2km de Grândola, Fonte dos Narizes, junto do lugar das Represas

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 67/97, DR, 1.ª série-B, n.º 301 de 31 dezembro 1997

Enquadramento

Rural, em zona ribeirinha, isolado, a 2 km a sul da estação romana do Cerrado do Castelo (150502009), a uma cota mais elevada.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Hidráulica: barragem

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: municipal

Afectação

Época Construção

Época romana

Arquitecto / Construtor / Autor

Cronologia

Época romana - construção; séc. 20, inícios - identificação; 1996, 22 Outubro - Despacho de classificação como Imóvel de Interesse Público; 1997 - intervenção arqueológica.

Dados Técnicos

Paredes autoportante

Materiais

Alvenaria, opus incertum, lateres, opus signinum

Bibliografia

COSTA; A. Carvalho, Corografia Portuguesa, descripçam topographica do famoso Reyno de Portugal, Lisboa, Oficina de Valentim da Costa Deslandes, 1708; MATEUS, Manuel, Pego da Moura, 1895; IDEM, Grândola Antiga, Album Alentejano, s.d.; ALARCÃO, Jorge, Portugal Romano, Lisboa, 1973; IDEM, O Domínio Romano em Portugal; QUINTELA, António de Carvalho, CARDOSO, João Luís e MASCARENHAS, José Manuel, Aproveitamentos Hidráulicos a Sul do Tejo. Contribuição para a sua inventariação e caracterização, Lisboa, 1986; FERREIRA, Marisol Aires e FARIA, João Carlos, Estação Romana do Cerrado do Castelo, Grândola, 1991.

Documentação Gráfica

DGEMN: DSID

Documentação Fotográfica

DGEMN: DSID

Documentação Administrativa

DGEMN: DSID

Intervenção Realizada

CMG: 1997 - intervenção arqueológica

Observações

Está a ser preparado um estudo detalhado sobre este monumento, por investigadores da CMG a ser editado oportunamente. Existe sobre este local uma lenda de moura encantada que teria castigado a dona de um boi, por esta não ter seguido o seu conselho, tendo tido um momento de fraqueza, pelo que o animal se afogou na represa, subjugado ao peso de uma trave de ouro que devia puxar para terra, que de outro modo, pertenceria à sua dona.

Autor e Data

Albertina Belo 1998

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login