Ponte da Arrábida

IPA.00005507
Portugal, Porto, Porto, União das freguesias de Lordelo do Ouro e Massarelos
 
Arquitectura civil de equipamento, modernista. Ponte de arco, de um só tabuleiro plano, com utilização de betão armado em todos os elementos constituintes. Tabuleiro, sobre arco suspenso, sobre setenta e seis pilares, quatro deles funcionando como elevadores, e duas vigas em arco unidas por uma arcatura com estreitos elementos dispostos em cruz. As esculturas em bronze aplicadas nas faces das caixas de elevador, voltadas ao tabuleiro, são repetidamente utilizadas nas obras de arquitectura modernista.
Número IPA Antigo: PT011312070105
 
Registo visualizado 86 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

Categoria

Monumento

Descrição

Ponte de arco, de betão armado, com tabuleiro superior plano. O tabuleiro apoia-se no arco suspenso, constituindo por duas vigas em arco, unidas por uma arcatura com estreitos elementos dispostos em cruz de betão. Possui 76 pilares, sendo os de maior expressão os quatro que se encontram junto ao apoio do arco, assemelhando-se a grossas colunas quadrangulares, sendo marcados por pequenos quadrados dispostos regularmente ao longo das superfícies exteriores. Estes, no interior, possuem elevadores, que fazem a ligação da cota baixa da estrada marginal ao tabuleiro. As saídas dos elevadores apresentam extensas palas em consola, tanto na cota baixa como na zona superior, e entre os elevadores, encaixam-se guardas em ferro pintado à cor da ponte. Os volumes dos elevadores, na face voltada para o interior da ponte, apresentam adossadas quatro esculturas. O tabuleiro apresenta seis faixas de rodagem para trânsito rodoviário e dois estreitos passeios.

Acessos

IC 1, VCI

Protecção

MN - Monumento Nacional, Decreto n.º 13/2013, DR, 1.ª Série, n.º 119 de 24 junho 2013

Grau

2 - imóvel ou conjunto com valor tipológico, estilístico ou histórico ou que se singulariza na massa edificada, cujos elementos estruturais e características de qualidade arquitectónica ou significado histórico deverão ser preservadas. Incluem-se neste grupo, com excepções, os objectos edificados classificados como Imóvel de Interesse Público.

Enquadramento

Urbano, isolada, sobre o Rio Douro, apoiando-se na margem N. na escarpa da Arrábida e na margem S. em uma ravina da zona do Candal. Implanta-se a jusante da Ponte D. Luís (v. PT011312140057 e PT011317160013), sendo, das pontes do Porto, a que mais próximo fica da foz do rio Douro. Estabelece a ligação a ligação entre a IC 1, do lado de Vila Nova de Gaia e a Via de Cintura Interna (VCI) do lado do Porto.

Descrição Complementar

O vão da ponte apresenta 270m, a flecha do arco é de 52m e o tabuleiro eleva-se a 70m acima do nível médio das águas.

Utilização Inicial

Comunicações e transportes: ponte com circulação rodoviária e pedonal

Utilização Actual

Comunicações e transportes: ponte com circulação rodoviária e pedonal

Propriedade

Pública: Estatal

Afectação

Época Construção

Séc. 20

Arquitecto / Construtor / Autor

ENGENHEIROS: Edgar Cardoso; CONSTRUTOR: José Pereira Zagalo; ESCULTORES: Gustavo Bastos, Salvador Barata Feyo.

Cronologia

1952, março - Foi adjudicada a elaboração de anteprojetos para a ponte rodoviária, pela JAE ao Professor Edgar António Mesquita Cardoso; 1955 - aprovação do projeto da ponte; 1957, maio - início da construção; 1959, 22 abril - decreto-lei n.º 42 234 autorizando o Ministério das Obras Públicas a promover por intermédio das respetivas Câmaras Municipais, a construção de habitações para o alojamento das famílias de modestos recursos moradoras em casas a demolir, em consequências das obras de construção dos acessos à ponte; 1961, julho - conclusão do cimbre; 1963, 31 março - conclusão da betonagem; 22 Junho - conclusão da construção e inauguração da ponte; séc. 20, anos 90 - desativação dos elevadores; 2011, 16 fevereiro - abertura do procedimento administrativo relativo à classificação da ponte; 2012, 18 setembro - é publicado, através do anúncio n.º 13409/2012, o projeto de decisão relativo à classificação como Monumento Nacional e fixada a respetiva zona especial de proteção.

Características Particulares

À data da sua construção a ponte da Arrábida apresentava o arco de maior vão do mundo realizado em betão armado, excedendo em cerca de 6m a ponte sueca de Sando, e pela primeira vez é construída na cidade do Porto uma ponte apenas por portugueses, sem envolver firmas estrangeiras na sua concepção ou execução. Na sua construção foi utilizado o cimento branco. A ponte caracteriza-se pela expressão delicada, grande plasticidade do material e pelas linhas rectas e curvas dos seus elementos, com repetição da forma quadrada na caixa dos elevadores, que apresentam grandes balanços nas palas de saída dos elevadores.

Dados Técnicos

Elementos autoportantes.

Materiais

Betão armado no tabuleiro, apoios e arco; asfalto no revestimento do tabuleiro; ferro pintado nas portas dos elevadores e guarda; bronze nas estátuas.

Bibliografia

Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério no ano de 1956, Lisboa, 1957; Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério nos anos de 1957 e 1958, 1º Volume, Lisboa, 1959; Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério nos Anos de 1959, 1º e 2º Volumes, Lisboa, 1960; Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério no Ano de 1961, 1º e 2º vol., Lisboa, 1962; Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério no Ano de 1962, 1º e 2º Vol., Lisboa, 1963; PACHECO, Hélder, Porto, Lisboa, 1984; Guia de Portugal, IV, I, Coimbra, 1985.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN / DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

LNEC: 1959 - Continuação da elaboração dos estudos de estruturas; 1961 - realização de observações geodésicas; trabalhos de controle dos betões aplicados na obra da ponte, pilares e pilastras; JAE: 1961, Julho - conclusão da montagem e fecho dos cimbres; 1962 - construção das auto-estradas de acesso; LNEC: 1962 - medição dos esforços e deslocamentos do cimbre durante a betonagem do arco do montante; realização de quatro campanhas de observação geodésica; utilização do alongametro de milésimos na observação do cimbre da ponte; 1ª fase da montagem do cimbre metálico; construção e descimbragem da costela de montante; JAE: anos 90 - alteração do número de faixas de rodagem.

Observações

A construção da ponte custou cerca de 120 mil contos. Quando foi construída apresentava apenas duas faixas de rodagem de 8m de largura, duas faixas para ciclistas e dois passeios laterais para peões.

Autor e Data

Isabel Sereno 1996

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login