Barragem Romana da Abobeleira / Outeiro da Porta

IPA.00005835
Portugal, Vila Real, Chaves, Vale de Anta
 
Barragem romana com dique composto por 4 muros paralelos, dispostos radialmente a partir do topo da encosta, travados internamente por contrafortes. Possui parte inicial do aqueduto em canal escavado no afloramento.
Número IPA Antigo: PT011703410016
 
Registo visualizado 1223 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Hidráulica de contenção  Barragem  Barragem romana  

Descrição

A barragem é constituída por um dique de contenção das águas com uma altura de 17 m. e um vão de 90 m. A estrutura do dique, com uma largura total de 7,2 m, é composta por quatro muros paralelos, com uma espessura de 60 cm, construídos com blocos graníticos em "opus incertum" e ligados por "opus caementicium", em dupla face, sendo o alicerce assente sobre entalhes efectuados no afloramento. Os muros dispostos radialmente a partir do topo da encosta, são travados internamente por contrafortes, igualmente construídos com blocos graníticos, estando o espaço entre estes, que varia entre 1,4 e 2 m, preenchido com terra compactada e argila. Do lado da albufeira o talude que recobre o alicerce do paramento interno do dique está reforçado com uma camada de argila, talvez no sentido de impermeabilizar essa zona. Em relação ao seu escoamento não foi detectado o canal de descarga, embora o transporte da água fosse efectuado por um aqueduto, do qual só se conserva um pequeno tramo inicial cavado no afloramento.

Acessos

Vale de Anta, Lugar da Abobeleira; caminho a pé posto a partir da EM Chaves - Abobeleira

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 26-A/92, DR, 1.ª série-B, n.º 126 de 01 junho 1992

Enquadramento

Rural, isolado, garganta no leito da Ribeira de Sanjurge. No topo da encosta da margem esquerda, num afloramento junto ao alicerce de do muro a barragem, encontra-se gravado a inscrição "HIC LEPIDI".

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Hidráulica: barragem

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Privada

Afectação

Época Construção

Época romana

Arquitecto / Construtor / Autor

Não aplicável.

Cronologia

Época romana - construção.

Dados Técnicos

Estrutura autoportante.

Materiais

Blocos graníticos em opus incertum ligados com opus caementicium e revestimento do talude com terra compactada e argila.

Bibliografia

ABREU, Thomé de Távora e, Notícias Geográficas de Trás-os-Montes, ms. 221 da BNL, transcrição de Júlio Montalvão Machado, Revista Aquae Flaviae, Chaves, 1989, pp. 18 - 19; ALARCÃO, Jorge de, Roman Portugal, vol. 2, Warminster, 1988, p. 6, nº 1/114; AIRES, Firmino, A barragem de Aquae Flaviae, Notícias de Chaves, 24 - 10 - 86; 31 - 10 - 86 e 7 - 11 - 86, Chaves, 1986; MARTINS, João Baptista, A barragem romana da Aboboleira (Valdanta), Notícias de Chaves, 17 - 10 - 86, Chaves, 1986; RODRÍGUEZ COLMENERO, António, Vestígios urbanísticos de Aquae Flaviae, Revista Aquae Flaviae, 2, Chaves, 1989, pp. 137 - 138; TEIXEIRA, Ricardo e AMARAL, Paulo, Levantamento Arqueológico do Concelho de Chaves, relatórios anuais de actividades, Chaves, 1985 - 1992; VASCONCELOS, António Júlio Ribeiro de, Barragem Romana de Aboboleira - primeiros elementos para o estudo da sua história com algumas notas ligeiras, Notícias de Chaves, 25 - 3 - 88, Chaves, 1988; VASCONCELLOS, José Leite de, Por Trás-os-Montes, O Archeologo Português, 22 (1 - 12), Lisboa, 1917, pp. 15 - 16.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

1987 - Escavação arqueológica sob a responsabilidade de A. Rodríguez Colmenero, no dique da margem esquerda; 1989 - escavação arqueológica sob a direcção conjunta de Paulo Amaral, Ricardo Teixeira e Rafael Alfenim, no dique da margem direita.

Observações

Devendo constituir o sistema para abastecer Aquae Flaviae, formaria uma albufeira com c. de 547 000 m3, sendo as águas conduzidas para a cidade através de uma conduta, de que se conhece apenas os referidos vestígios junto à barragem e que, segundo um traçado hipotético, teria c. de 4 100 m. Dois silhares incorporados no muro da barragem da margem direita, apresentam-se gravados com o signo ., embora não registem qualquer outra menção.

Autor e Data

Isabel Sereno e Paulo Amaral 1993

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login