Igreja de Nossa Senhora do Rosário

IPA.00008143
Portugal, Ilha de São Miguel (Açores), Povoação, Povoação
 
Arquitectura religiosa.
Número IPA Antigo: PT072104050001
 
Registo visualizado 163 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja  

Descrição

Acessos

Povoação; Rua Gonçalo Velho, Povoação

Protecção

IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 129/77, DR, 1.ª série, n.º 226 de 29 setembro 1977

Grau

5 - registo em pré-inventário com um preenchimento mínimo dos campos… e pressupondo a existência de um registo iconográfico.

Enquadramento

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Religiosa: igreja paroquial

Utilização Actual

Religiosa: igreja

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese de Angra)

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 16

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Séc. 16 - construção de um templo primitivo, muito perto do mar, por João de Arruda da Costa, com invocação inicial a Nossa Senhora dos Anjos e depois alterada para Nossa Senhora da Natividade, dado que no dia da festa, a 15 de agosto, os fregueses estavam ocupados na colheita das searas, enquanto que as festas da Natividade eram a 8 de setembro; 1568, 30 julho - acréscimo da côngrua do vigário com 10$000; 1595, 20 março - o bispo de Angra, D. Manuel de Gouveia despacha alvará acerca da criação "do Curato da Senhora Mãe de Deus, da Povoação Velha"; depois desta data ocorrem as primeiras obras na igreja, por ordem do bispo *1; 1640 - 1646 - o templo durante este período tem a invocação de Nossa Senhora dos Remédios; 1671 - gastam-se 96$000 com o pedreiro na capela-mor; 1667, 21 outubro - dá-se 4$000 à fábrica da igreja; 1737 - compra de ornamentos no valor de 1335$000; 1753, 30 agosto - o bispo D. Frei Valério do Sacramento, na sua visitação refere o orago como sendo de Nossa Senhora da Mãe de Deus; 1761 - obras no retábulo, por 50$000, com douramento por 50$000 e pintura do mesmo por 100$000; 1788, 21 setembro - na sua visita, Pedro da Costa Medeiros diz que o retábulo da capela-mor necessita ser modernizado, pois é muito antigo e está indecente, o retábulo da capela do Santíssimo Sacramento precisa ter obra de talha, e o interior do sacrário ser forrado com seda; é referida a nova capela construída, com donativos da população, com invocação do Senhor Santo Cristo, mas que corre perigo de conservação, devido à humidade; 1795, 28 agosto - na visita de D. António Caetano da Rocha, o bispo refere o bom estado de conservação da igreja, que foi sendo recuperada pela população depois da última visita feita, faltando completar a obra da torre, para se poder por o sino; 1811 - a igreja já apresenta indícios de ruína, conforme referido na visita do bispo D. José Pegado de Azevedo, pois muitas vezes ficava alagada dada a proximidade ao mar; a população considera-a pequena para o número de fregueses; ao longo da centúria, a igreja apresenta sinais de degradação e a população começa a desejar uma nova igreja, num sítio mais central e seguro; 1856 - inauguração da nova Igreja Paroquial da Povoação, passando esta a ter orago Nossa Senhora do Rosário.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Bibliografia

BOTELHO, Francisco - A Igreja Matriz da Povoação e o seu primeiro centenário, 1856-1956. Ponta Delgada; CANTO, E. - «Notícia sobre as Igrejas, Ermidas e Altares da Ilha de S. Miguel». In Insulana. Ponta Delgada: Instituto Cultural de Ponta Delgada, Vol. LVI, 2000; COSTA, Carreiro da - História das Igrejas e Ermidas dos Açores. Ponta Delgada: Jornal Açores, 1955; DIAS, Urbano de Mendonça, História das Igrejas, Conventos e Ermidas Micaelenses - II. Vila Franca de Campo: Tipografia "A Crença", 1949; MATOS, António Marinho - Povoação - Evangelização, devoção e património cultural. Povoação: 2006.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

PROPRIETÁRIO: Séc. 20 - Obras de reparação, com colocação de um novo telhado, lajeamento da pedra nas três capelas, altar e naves laterais e do adro; instalação de eletricidade; substituição da base e dos capitéis das colunas, arranjo do coro-alto e de todas as portas, construção de sanitários e do guarda-vento, substituição da alvenaria interior e exterior, pintura dos altares, instalação sonora no altar e ambão e amplificação sonora da torre sineira; 1936 - conclusão das obras de restauro.

Observações

EM ESTUDO. *1- Inicialmente o templo tinha uma forma alongada e uma só nave, a entrada era onde está hoje a porta lateral direita e tinha um sino pequeno, perto da torre atual. Depois destas primeiras obras, a igreja passa a ter três naves, com a cabeceira virada para nascente.

Autor e Data

João Faria 2014 (no âmbito da parceria IHRU / Diocese de Angra)

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login