José Ângelo Cottinelli Telmo

 
Arquiteto / Cineasta / Ilustrador / Fotógrafo / Músico / Bailarino (Lisboa, 13 de novembro, 1887 - Cascais, 18 de setembro, 1948)
 
 

DADOS FAMILIARES:

Filho de Cristiano da Luz Telmo (tenor lírico) e de Cecília Cottinelli Telmo (professora de piano).

Casa com Maria Luísa Marques Leitão de Barros Cottinelli Telmo (1922), com quem tem duas filhas: Isabel Maria da Conceição Leitão de Barros Cottinelli Telmo e Maria Teresa Leitão de Barros Cottinelli Telmo.

EDUCAÇÃO

E FORMAÇÃO:

1907-1914 — Frequenta o Liceu Central de Pedro Nunes, em Lisboa, onde conclui o Curso Geral dos Liceus (5.ª classe) e o Curso Complementar de Ciências (7.ª classe). Frequenta as aulas de desenho da Sociedade de Belas-Artes do Liceu de Pedro Nunes.

1915 — É admitido no Curso Especial de Arquitetura Civil, Escola de Belas-Artes de Lisboa.

1920 — Conclui o Curso Especial de Arquitetura Civil, Escola de Belas-Artes de Lisboa.

CARGOS E FUNÇÕES:

1918 — Integra o projeto cinematográfico Lusitania Film, com Leitão de Barros, entre outros.

1923-[c.1943?] — Arquiteto da Companhia de Caminhos-de-Ferro-Portugueses (CP).

1934-1948 — Arquiteto da Comissão das Construções Prisionais.

1938-1940 — Integra a Comissão Organizadora das Comemorações dos Centenários.

1938-1940 e 1942 — Diretor da revista oficial do Sindicato Nacional dos Arquitetos.

1938-1940 — Arquiteto-chefe da Exposição do Mundo Português.

1941 — É nomeado, por Raul Lino, vogal da Academia Nacional de Belas-Artes.

1941-1945 — Secretário da Direção do Sindicato Nacional dos Arquitetos.

1941-1945 — Integra a Comissão Administrativa do Plano de Obras da Praça do Império e da Zona Marginal de Belém.

1941-1948 — Arquiteto-chefe da Comissão Administrativa do Plano de Obras da Cidade Universitária de Coimbra (sendo substituído, após a sua morte, por Cristino da Silva).

1945-1948 — Presidente do Sindicato Nacional dos Arquitetos.

1947 — Presidente da Comissão Executiva do I Congresso Nacional de Arquitectura.

ESTUDOS, PROJETOS

E INTERVENÇÕES:

1921-1922 — Pavilhão de Física e Química do Liceu de Gil Vicente, Lisboa: coautor, com Luís da Cunha, do projeto de construção — parcialmente construído; demolido em 1945.

1921-1922 — Pavilhão de Honra de Portugal na Exposição Internacional do Rio de Janeiro de 1922, Brasil: coautor, com Carlos Ramos e Luís da Cunha, do projeto de construção — parcialmente reconstruído (c. 1932) no Parque Eduardo VII, em Lisboa; demolido em 1936.

1923 — Dormitório para o pessoal braçal da Estação do Entroncamento: coautor, com Luís da Cunha, do projeto de construção, promovido pela Divisão de Construção da CP — não executado.

1923-1925 — Dormitório para pessoal de trens da Estação de Campanhã, Porto: coautor, com Luís da Cunha, da primeira versão (1923) do projeto de construção — não executado, bem como da segunda versão (atrib., 1925), obra promovida pela Divisão de Construção da CP.

1923-1928 — Escola Camões, Entroncamento: coautor, com Luís da Cunha, do projeto de construção, obra promovida pela Divisão de Construção da CP.

1923-1931 — Edifício de passageiros da Estação de Coimbra A / Edifício da Estação Nova, Coimbra: coautor, com Luís da Cunha, das duas primeiras versões (1923 e 1926) do projeto de construção — não executado, bem como, com Luís da Cunha e com a colaboração de Hermínio Barros, da terceira versão (1928-1931), obra promovida pela Divisão de Via e Obras da CP.

1924 — Casas para habitação do pessoal na Estação de Coimbra C (Cidade), Coimbra: coautor, com Luís da Cunha, do projeto de construção, promovido pela Divisão de Construção da CP — não executado.

1924-1927 — Bairro Camões, Entroncamento: coautor, com Luís da Cunha, do projeto de construção, obra promovida pela Divisão de Construção da CP.

1925 — Pavilhão do ABCzinho na Feira de Amostras do Estoril: autor do projeto de construção, obra encomendada pela Sociedade Editorial ABC Lda. — demolido.

1925-1927 — Casas para habitação de pessoal no Bairro Camões, Entroncamento: coautor (atrib.), com Luís da Cunha, do projeto de construção, obra promovida pela Divisão de Construção da CP.

1926 — Fonte para o Bairro Camões, Entroncamento: autor do projeto de construção, obra promovida pela Divisão de Construção da CP — demolido e reconstruído.

1926 — Entrada para o Bairro Camões, Entroncamento: autor da primeira versão (1926) do projeto de construção — não executado, bem como, com a colaboração de Vasco Palmeiro Regaleira, da segunda versão (atrib., 1926), obra promovida pela Divisão de Construção da CP.

1926 — Pavilhão de instalações sanitárias para a Estação de Santa Cita, Tomar: autor do projeto de construção, obra promovida pela Divisão de Construção da CP.

1926 — Muro de suporte de terras na Estação de Vila Nova de Gaia: autor (atrib.) do projeto de construção, obra promovida pela Divisão de Construção da CP.

1926-1929 — Edifício Motor Palace Fiat, Avenida da Liberdade n.º 253 (atual n.º 249), Lisboa: autor da primeira versão (1926) do projeto de construção — não executado —, bem como da segunda versão (1926-1929) — demolido depois de 1955, obra promovida pela Sociedade Comercial Luso-Americana.

1927 — Lampião para o Bairro Camões, Entroncamento: autor do projeto, obra promovida pela Divisão de Construção da CP.

1927 — Ourivesaria Barbosa & Esteves, Lisboa: coautor, com Luís da Cunha, do projeto de construção, com alterações em 1929 e em 1932 e adaptações posteriores a 1973, obra encomendada por Barbosa, Esteves e C.ª.

1927-1928/1933-1936 — Sanatório Ferroviário da Covilhã: autor do anteprojeto de construção (1927-1928) — não executado —, bem como do projeto de construção do edifício (1933-1934) e de edifícios anexos (alguns não concretizados) para apoio ao estabelecimento (1936), obra promovida pela Comissão Administrativa dos Sanatórios para Ferroviários Tuberculosos — (inaugurado em 1944).

1927-1928 — Hospital da Misericórdia de Bragança: autor do anteprojeto de ampliação, obra promovida pela Santa Casa da Misericórdia de Bragança

1927-1928 — Edifício de passageiros para o Apeadeiro de Alcântara-Mar, Lisboa: autor da primeira versão (1927) do projeto de construção — não executado —, bem como da segunda versão (atrib., 1928), obra promovida pela Divisão de Via e Obras da CP.

1928 — Pavilhão de Portugal na Exposição Ibero-Americana de Sevilha 1929, Espanha: autor do projeto de construção proposto a concurso, terceiro classificado — não executado.

1928-1931 — Edifício de passageiros da Estação de Tomar: autor do projeto de construção, obra promovida pela Divisão de Via e Obras da CP.

1928-1932 — Edifício de passageiros da Estação Fluvial de Sul e Sueste / Estação do Terreiro do Paço, Lisboa: autor, com a colaboração de Hermínio Barros, da primeira versão (1928) do projeto de construção — não executado —, bem como da segunda versão (1932), obra promovida pela Divisão de Via e Obras da CP.

1929 — Candeeiros para as plataformas do Apeadeiro de Alcântara-Mar, Lisboa: autor do projeto, obra promovida pela Divisão de Via e Obras da CP.

1929 — Stand da firma Bucknall & Sons Ltd. para o Pavilhão de Portugal na Exposição Ibero-Americana de Sevilha 1929, Espanha: autor do projeto de construção, encomendado por Bucknall & Sons Ltd.

1929-1931 — Hotel com balneário para a Fonte Santa, Loulé: autor do esboceto e do anteprojeto de construção — não executado.

1929-1931 — Hotel com balneário, buvette e casa para engarrafamento para a Benémola, Loulé: autor, em colaboração com Ricardo Teixeira Duarte, do anteprojeto, bem como do projeto de construção, encomendado por José de Ascenção — não executado.

1930-1931 — Edifício de passageiros da Estação do Carregado, Alenquer: autor do projeto de construção, obra promovida pela Divisão de Via e Obras da CP.

1930-1934 — Escola Profissional de António Vasconcelos Correia, Lisboa: autor do projeto de construção, obra promovida pelo Grupo Instrutivo Ferroviário de Campolide do Pessoal de Máquinas e Oficinas da CP.

1931-1937 — Liceu Latino Coelho, Lamego: autor do projeto de construção, obra promovida pela Junta Administrativa do Empréstimo para o Ensino Secundário, Ministério da Instrução Pública.

1932 — Edifício de passageiros para a Estação da Póvoa de Santa Iria: autor de duas versões do projeto de construção — não executado, promovido pela Divisão de Via e Obras da CP.

1932 — Igreja para o Entroncamento: autor de duas versões do projeto de construção, promovido pela CP — não executado.

1932-1934 — Estúdio Cinematográfico da SPFSTK (Tobis), Lisboa: responsável pela formalização arquitetónica do projeto de construção da autoria do engenheiro francês P. Richard, e autor do projeto de construção do edifício dos camarins, bem como do esboceto da central elétrica (não foi possível confirmar a sua construção), obra encomendada pela Sociedade Portuguesa de Filmes Sonoros Tobis Klangfilm — demolido.

1933 — Estação de Telégrafo Postal, Escadinhas do Duque, Lisboa: autor do anteprojeto, promovido pela Divisão de Via e Obras da CP — não executado.

1933 — Capela Simões Afonso, Quinta da Maquia, Sintra: autor do projeto de construção.

1933 — Balneário de Monte Real, Leiria [?]: autor do anteprojeto — não executado.

1933-1935 — Abrigo de passageiros para o apeadeiro de Setúbal-Quebedo, Setúbal: autor do projeto de construção, obra promovida pela Divisão de Via e Obras da CP.

1934 — Monumento ao Infante D. Henrique, Sagres: autor do projeto proposto a concurso, em colaboração com [Bernardino] Coelho, Rui Roque Gameiro e Albuquerque Bettencourt, encomendado pela Presidência do Conselho de Ministros — não executado.

1934 — Praça do Rossio, Lisboa: autor do projeto de melhoramento estético proposto a concurso, promovido pelo Conselho de Estética Citadina da Câmara Municipal de Lisboa — não executado.

1934-1935 — Edifício de passageiros para a Estação da Azambuja: autor do projeto de construção, obra promovida pela Divisão de Via e Obras da CP.

1935 — Filial para a Caixa Geral de Depósitos, Crédito e Previdência, Viseu: autor, em colaboração com [Bernardino] Coelho, do projeto de construção, promovido pela Caixa Geral de Depósitos, Crédito e Previdência — não executado.

1935 — Monumento a António José de Almeida, Lisboa; autor, em colaboração com Rui Gameiro, do projeto de construção proposto a concurso (não vencedor).

1935 — Garagem Lusitana, Travessa da Glória n.º 26, Lisboa: autor do projeto de alteração do portão, obra encomendada por Garagem Lusitana Lda.

1935-1936 — Casa Pinto Osório na Rua Dr. António Cândido n.ºs 3-5, Lisboa: autor do projeto de construção, obra encomendada por Manuel J. Pinto Osório.

1935-1936 — Colónia Penal do Tarrafal, Cabo Verde: autor do projeto de construção, promovido pela Comissão das Construções Prisionais do MOPC — não executado.

1935-1937 — Torre de sinalização e manobra para Estação de Ermesinde: autor (atrib.) do projeto de construção, obra promovida pela Divisão de Via e Obras da CP.

1935-1937-1941 — Armazém de víveres para a Estação do Cacém, Sintra: autor da primeira versão (1935) do projeto de construção, bem como da segunda versão (1937) e do do projeto de ampliação (1941), obra promovida pela Divisão de Via e Obras da CP — demolido em 2008, no âmbito do programa POLIS.

1935-1939 — Armazém de víveres para a Estação do Entroncamento: autor da primeira versão do projeto de construção (1935) — não executado, bem como da segunda versão (1938-1939), obra promovida pela Divisão de Via e Obras da CP.

1935-1944 — Colónia Penal de Alcoentre, Azambuja: autor do projeto definitivo de adaptação e remodelação do conjunto existente, obra promovida pela Comissão das Construções Prisionais do MOPC.

1935-1945 — Armazém de víveres para o Terminal do Barreiro: autor do projeto de construção (1935), bem como dos projetos de ampliação (1937, 1942 e 1945), obras promovidas pela Divisão de Via e Obras da CP.

1936 — Conservatório de Lisboa: autor de um projeto de remodelação.

1936 — Cadeia Comarcã de Alenquer: autor do projeto de adaptação e remodelação do edifício existente, obra promovida pela Comissão das Construções Prisionais do MOPC.

1936 — Testa dos túneis, variante à linha de cintura, Lisboa: autor (atrib.) do projeto de construção, promovido pela Divisão de Via e Obras da CP — não executado.

1936 — Jazigo Roque Gameiro, Cemitério dos Prazeres, Lisboa: autor do projeto de construção, obra encomendada por Maria da Assunção Roque Gameiro.

1936 — Edifício de passageiros para o apeadeiro de Entrecampos, Lisboa: autor (atrib.) do projeto de construção, promovido pela Divisão de Via e Obras da CP — não executado.

1936-1937 — Cadeia Comarcã de Fornos de Algodres: autor do projeto de adaptação e remodelação, obra promovida pela Direção-Geral dos Serviços Prisionais, Comissão das Construções Prisionais do MOPC.

1936-1938 — Torre de sinalização e manobra ferroviária para a Estação de Pinhal Novo, Palmela: autor do projeto de construção, obra promovida pela Divisão de Via e Obras da CP.

1936-1945 — Edifício de passageiros da Estação de Vila Real de Santo António, Faro: autor do projeto de construção, obra promovida pela Divisão de Via e Obras da CP.

1937 — Torre de sinalização e manobra para a Estação da Régua, Pêso da Régua: autor do projeto de construção, promovido pela Divisão de Via e Obras da CP — não executado.

1937 — Cadeia Comarcã de Alijó, Vila Real: autor do projeto de adaptação e remodelação, obra promovida pela Comissão das Construções Prisionais do MOPC.

1937 — Cadeia Comarcã de Celorico da Beira: autor do projeto de adaptação e remodelação, obra promovida pela Comissão das Construções Prisionais do MOPC.

1937 — Casa Valadas Fernandes, na Avenida do México n.ºs 3-5, moradia situada no quarteirão formado pelas avenidas do México e António José de Almeida, Lisboa: autor do projeto de construção, obra encomendada por Wenceslau Valadas Fernandes.

1937-1941 — Cadeia Comarcã de Vila Real / Estabelecimento Prisional Regional de Vila Real: autor do projeto de adaptação e remodelação, obra promovida pela Comissão das Construções Prisionais do MOPC.

1937-1942 — Cadeia Comarcã de Arganil: autor do projeto de adaptação e remodelação, obra promovida pela Direção-Geral dos Serviços Prisionais, Comissão das Construções Prisionais do MOPC (projeto revisto por Rodrigues Lima, em 1940).

1937-1942-1943 — Colónia de Férias dos Comboios de Portugal/Colónia de Férias da Praia das Maçãs, Sintra: autor do projeto de adaptação e do projeto de remodelação completa das instalações, obra promovida pela Divisão de Via e Obras da CP.

1937-1943-1944 — Edifício de passageiros para o apeadeiro da Curia, Anadia: autor (atrib.) de três diferentes anteprojetos (1937) de construção — não executados —, bem como da segunda versão do projeto de construção, do azulejo de padrão ornamental e das inscrições sobre as portas do edifício (1942-1943), obras promovidas pela Divisão de Via e Obras da CP.

1938 — Farmácia Roma, na Rua Cândido do Reis, Braga: autor do projeto de construção, obra encomendada por Farmácia Roma, Rodrigues, Martins & C.ª.

1938 — Cadeia Comarcã de Oliveira de Azeméis: autor do projeto de adaptação e remodelação, obra promovida pela Comissão das Construções Prisionais do MOPC.

1938 — Cadeia Comarcã de Castelo Branco: autor do projeto de adaptação e remodelação, promovido pela Comissão das Construções Prisionais do MOPC — não executado.

1938 — Cadeia Comarcã de Loulé, Faro: autor do projeto de construção, promovido pela Comissão das Construções Prisionais do MOPC — não executado.

1938-1940 — Prisão-Escola / Estabelecimento Prisional Especial de Leiria: autor do anteprojeto (1938) — não executado —, bem como do projeto final de construção (1939-1940), obra promovida pela Direção-Geral dos Serviços Jurisdicionais de Menores.

1938-1948 — Edifício de passageiros da Estação do Rossio, Lisboa: autor do projeto de adaptação e modernização, obra promovida pela Divisão de Via e Obras da CP.

1939 — Torre de sinalização e manobra para a Estação do Rossio, Lisboa: autor (atrib.) do projeto de construção, obra promovida pela Divisão de Via e Obras da CP.

1939-1940 — Exposição do Mundo Português, Lisboa: coautor do plano geral da exposição, com Paulo Cunha e António Lino e autor dos seguintes projetos: Pavilhão dos Portugueses no Mundo — demolido em 1956; Padrão dos Descobrimentos, com a colaboração do escultor Leopoldo de Almeida — demolido em 1943 e reconstruído definitivamente em 1960 (contrariamente à vontade de Cottinelli Telmo, por ocasião das Comemorações do V Centenário da Morte do Infante D. Henrique); Jardim da Praça do Império e da Fonte Luminosa — adaptação do projeto de Vasco Lacerda Marques; Porta da Fundação (segunda versão) — demolido; Pavilhão dos Caminhos-de-Ferro e Portos (1940), com a colaboração de Paulo Cunha — demolido; complementos diversos para a exposição (ogivas da Secção Histórica, baixos-relevos, elementos de iluminação, etc.). Todas as obras foram elaboradas pelo Comissariado da Exposição do Mundo Português e promovidas pelo MOPC.

1939-1942 — Edifício na Travessa do Abarracamento de Peniche n.º 7 / Casa dos Artistas, Lisboa: autor do projeto de construção para habitações de rendimento multifamiliares destinadas a artistas, obra encomendada por J. Leitão de Barros.

1939-1948 — Ponte monumental sobre a Avenida da República, Lisboa: autor da primeira versão do projeto de construção (1939), bem como da segunda versão (1948), promovido pela Divisão de Via e Obras da CP — não executado.

1940 — Torre de sinalização e manobra para a Estação de Campolide: autor (atrib.) do projeto de construção, obra promovida pela Divisão de Via e Obras da CP.

[c. 1941] — Plano para a Praça do Império e Zona Marginal de Belém, entre Alcântara e Pedroços, Lisboa: coautor, com Sá e Melo do plano geral para área.

[c. 1941] — Urbanização da Praça do Império, Lisboa: autor do projeto de urbanização da zona.

1941-1942 — Vila do Rio, Cascais: autor do projeto de construção, obra encomendada pela Sociedade Civil Amaral de Figueiredo.

1941-1942 — Casa Zacarias Santana, Avenida Miguel Bombarda, Oeiras: autor do projeto de construção.

1941-1942 — Esplanada Dr. António da Silva Martins, Abrantes: autor do projeto de construção, obra promovida pela Câmara Municipal de Abrantes — demolido.

1941-1945 — Casa Pereira Caldas na Avenida do Restelo, n.ºs 26-26A, Lisboa: autor do projeto de construção, obra encomendada pelo Dr. Pereira Caldas.

1942 — Casa de São Silvestre, Avenida de Sabóia, Cascais: autor do projeto de construção, obra encomendada por Eduardo Alberto Pereira.

1942 — Clubes náuticos e depósitos de barcos, zona marginal de Belém, Lisboa: autor, com a colaboração de Lucínio Cruz e Bernardim Fabião, do projeto de construção, promovido pela Comissão Administrativa do Plano de Obras da Praça do Império e da Zona Marginal de Belém — não executado.

1942-1943 — Liceu D. João de Castro, Lisboa: autor do anteprojeto e do projeto de construção, promovidos pela Junta das Construções para o Ensino Técnico e Secundário do MOPC — não executados.

1942-1944 — Museu das Comemorações Centenárias, Lisboa: autor, com a colaboração de Lucínio Cruz, do projeto de adaptação dos pavilhões da zona histórica da Exposição do Mundo Português, obra promovida pela Comissão Administrativa do Plano de Obras da Praça do Império e da Zona Marginal de Belém.

1942-1948 — Plano Geral da Cidade Universitária de Coimbra (Alta de Coimbra /Universidade de Coimbra – Alta e Sofia): autor das duas primeiras versões do anteprojeto (1942) — não executados —, bem como das terceira, quarta e quinta versões do projeto de construção (1943), obra promovida pela Comissão Administrativa do Plano de Obras da Cidade Universitária de Coimbra do MOPC.

1943 — Cais coberto para a Estação de Santa Apolónia, Lisboa: autor (atrib.) do projeto de construção, obra promovida pela Divisão de Via e Obras da CP.

1943 — Cinema Império, Avenida da Liberdade, Lisboa: autor da primeira versão do anteprojeto, bem como da segunda versão — não executado.

1943-1944 — Átrio do edifício do Montepio Geral e sala da Caixa Económica, Lisboa: autor do projeto de construção, obra encomendada pela Direção da Associação de Socorros Mútuos do Montepio Geral.

1943-1944 — Praça do Museu das Comemorações Centenárias, Lisboa: autor do projeto de construção, obra promovida pela Comissão Administrativa do Plano de Obras da Praça do Império e da Zona Marginal de Belém.

1943-1944 — Urbanização da Torre de Belém, Lisboa: autor do projeto de construção, obra promovida pela Comissão Administrativa do Plano de Obras da Praça do Império e da Zona Marginal de Belém — não executado.

1943-1945 — Armazém de víveres da Estação de Campanhã, Porto: autor (atrib.) do projeto de construção, obra promovida pela Divisão de Via e Obras da CP.

1943-1948 — “Casinhoto”, Sintra: autor do projeto de construção (casa para a família).

1943-1948 — Plano de Urbanização de Fátima, Ourém: autor do anteplano (1943), parcialmente construído a partir de 1948, obra promovida pela Direção-Geral dos Serviços de Urbanização, Repartição de Melhoramentos Urbanos do MOPC.

1943-1950 — Escadaria monumental para a Cidade Universitária de Coimbra: autor do projeto de construção, obra promovida pela Comissão Administrativa do Plano de Obras da Cidade Universitária de Coimbra do MOPC.

1943 — Instalações industriais para a Electro-Arco Lda., Quinta da Quintinha, Lisboa: autor do anteprojeto de construção.

[c. 1943] — Instalações industriais para a Electro-Arco Lda., Amadora: autor do projeto de construção, obra encomendada por Maria Manuela Pereira Rodrigues e Francisco Henrique Rodrigues.

[c. 1943] — Instalações industriais para a Electro-Arco Lda, Lourenço Marques (Maputo), Moçambique: autor do anteprojeto, obra encomendada por Electro-Arco Lda.

1944 — Banco de pedra, Jardim Botânico de Coimbra: autor do projeto, obra promovida pela Comissão Administrativa do Plano de Obras da Cidade Universitária de Coimbra do MOPC.

[c. 1944] — Casa do reitor da Universidade de Coimbra: autor do projeto de construção, obra promovida pela Comissão Administrativa do Plano de Obras da Cidade Universitária de Coimbra do MOPC.

1944-1948 — Instalações da Standard Elétrica, Avenida da Índia, Lisboa: autor do esboceto (1944), bem como do anteprojeto (1945) e do projeto de construção (1945-1948), a partir do desenho elaborado pela equipa da delegação de Madrid da Standard Elétrica, obra encomendada pela empresa.

1945 — Plano Diretor de Urbanização de um bairro para sessenta casas desmontáveis (100 habitações) e projetos de casas-tipo, Coimbra: autor do projeto de construção, obra promovida pela Câmara Municipal de Coimbra.

1945 — Frontón — centro de desportos, Algés: autor do projeto de construção — não executado.

1945-1947 — Armazém de víveres da Estação de Alfarelos, Soure: autor (atrib.) do projeto, obra promovida pela Divisão de Via e Obras da CP.

1946 — Memória a Borges de Almeida, cemitério de Belas, Sintra: autor do projeto para a construção do monumento-mausoléu (concluído em 1946), obra encomendada pela Comissão Organizadora da Homenagem Póstuma ao Dr. Borges de Almeida.

1946 — Oficinas, escritórios e sala de exposição para a “Serralharia Artística Vicente Joaquim Esteves” e para a assistência médica, recreio e cultura dos seus operários, Lisboa: autor do anteprojeto de construção, encomendado por Vicente Joaquim Esteves — não executado.

1946 — Edifício dos serviços municipalizados de Lagos: autor do esboceto do projeto de construção, obra promovida pela Câmara Municipal de Lagos.

1946-1948 — Jardim e monumento à memória do bispo D. Manuel de Portugal, Lamego: autor do projeto de construção (1946-1947), em colaboração com Francisco Franco, bem como dos projetos de alteração (1947-1948), obra promovida pela Direção-Geral dos Serviços de Urbanização, Repartição de Melhoramentos Urbanos do MOPC.

1946-1951 — Prédio de rendimento na Avenida da República, n.ºs 99 a 99D, Lisboa: autor do anteprojeto (1946), bem como do projeto de construção (1947); acompanhamento da execução da obra, a partir de 1948 (morte de Cottinelli Telmo), por Carlos Ramos, obra encomendada por Joaquim Augusto Marques (provável proprietário).

1947 — Edifício de passageiros na Estação de Sintra: autor do projeto de construção, promovido pela Divisão de Via e Obras da CP — não executado.

1947 — Faculdade de Ciências da Universidade de Coimbra: autor da primeira versão do anteprojeto de construção, bem como da segunda versão, promovido pela Comissão do Plano de Obras da Cidade Universitária de Coimbra, MOPC — não concluído.

1947 — Instalações do Instituto Geográfico e Cadastral, Lisboa: autor do anteprojeto de adaptação, promovido pelo Instituto Geográfico e Cadastral, Ministério da Economia — não executado.

1947 — Monumentos a D. João III, Pátio da Universidade, Coimbra: autor do projeto de construção, com a colaboração de Francisco Franco.

1947 — Monumento a Duarte Pacheco, Alameda D. Afonso Henriques, Lisboa: autor do projeto de construção, promovido pelo MOPC — não executado.

1947-1948 — Monumento a Duarte Pacheco, Loulé: autor da primeira versão do anteprojeto de construção (1947), bem como da segunda versão (1948), em colaboração com Leopoldo de Almeida, promovido pela Câmara Municipal de Loulé — não executado.

1947-1952 — Instalações para a Fábrica Barros Ld.ª na Avenida Infante D. Henrique, Lisboa: autor do anteprojeto (1947-1948), bem como do projeto de construção (1948-1952); acompanhamento da execução da obra, a partir de 1948(morte de Cottinelli Telmo), por Veloso Reis Camelo.

1948 — Quartel-General do Governo Militar de Lisboa: autor da segunda versão do anteprojeto de construção, promovido pela Comissão Administrativa das Novas Instalações para o Exército, Sub-Secretaria de Estado das Obras Públicas — não executado.

[c. 1948] — Arranha-Céus em Entrecampos, Lisboa: autor de esboceto, promovido pela CP — não executado.

1948 — Garagem Auto-Silo, Travessa da Boa-Hora, Lisboa: autor do projeto de construção.

1948 — Fachadas para a Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra: autor do projeto de adaptação, obra promovida pela Comissão do Plano de Obras da Cidade Universitária de Coimbra do MOPC — uma das fachadas não executada.

1948 — Urbanização da Quinta da Barbacena, Lisboa: autor do estudo de viabilidade.

Projetos não datados:

S.d. — Galeria São Luís, Lisboa: autor do projeto, obra encomendada pelo São Luís Cine.

S.d. — Vedações para linhas férreas, Estação Marvão-Beirã, Marvão: autor do projeto (?), obra promovida pela Divisão de Via e Obras da CP.

S.d. — Fachada para os estabelecimentos Jerónimo Martins & Filho, Lisboa: autor do projeto — não executado.

Projetos sem local:

1932 — Casas-tipo, habitações para funcionários: autor do projeto de construção, obra promovida pela Divisão de Via e Obras da CP.

1932 — Pavilhão de betão armado para venda de bilhetes, s.l.: autor do projeto de construção, obra promovida pela Divisão de Via e Obras da CP.

1932 — Tipo de chafariz-depósito em betão armado para venda de bilhetes, s.l.: autor do projeto de construção, obra promovida pela Divisão de Via e Obras da CP.

1932 — “Casas para o Sul”, s.l.: autor de vários anteprojetos.

1933 — Instalações de O Jornal, s.l.: autor do anteprojeto — não executado.

1936-1937 — Cadeias comarcãs-tipo: autor do projeto-tipo, obra encomendada pela Comissão das Construções Prisionais do MOPC.

1938 — Monumento à poetisa Maria Amélia Teixeira, s.l.: autor do projeto, com a colaboração de Teixeira Lopes.

1941 — Estabelecimento Mosaicos SCIAL, s.l.: autor do projeto de construção.

1942 — Vedações para linhas férreas, s.l.: autor das primeira, segunda e terceira versões dos anteprojetos, obra promovida pela Divisão de Via e Obras da CP.

1944 — Casa Correia Guedes, s.l.: autor do projeto de construção, obra encomendada por Correia Guedes.

1944-1948 — Jazigo Arrochela Lobo, s.l.: autor do projeto de construção, obra encomendada pela família Arrochela Lobo.

1945 — Edifício para os emissores do aeroporto, s.l.: autor do projeto de construção.

c. 1946 — Instalação para rádio-farol para a Standard Eléctrica, s.l.: autor do esboceto do projeto de construção.

RELAÇÕES PESSOAIS

E PROFISSIONAIS:

OUTROS DADOS BIOGRÁFICOS:

— No âmbito das suas relações da infância e juventude é amigode Luís Cristino da Silva, filho do pintor Ribeiro Cristino, pertencente ao “Grupo do Leão”, com quem irá trabalhar em vários projetos ao longo da vida; frequenta os “chás literários”, desde os tempos do Liceu de Pedro Nunes, em casa da família Leitão de Barros, com José Júlio Leitão de Barros e seus irmãos Carlos, Maria Luísa (com quem casa) e Teresa, onde conhece também Porfírio Pardal Monteiro (de quem se torna muito amigo e com quem irá trabalhar em vários projetos, ao longo a vida), Fernanda de Castro, Luís Reis Santos, Jaime Martins Barata, Virgínia Vitorino, Virgínia Roque Gameiro, Augusto de Santa-Rita, Américo Durão e ainda António Ferro, com quem irá colaborar em diversos projetos, nomeadamente na Exposição do Mundo Português e na equipa da Ilustração Portuguesa.

— Trabalha com Luís da Cunha e Vasco Palmeiro Regaleira, em diversos projetos para a CP e na Exposição do Mundo Português.

— Na Comissão das Construções Prisionais, trabalha em parceria com Rodrigues Lima e reporta diretamente a Duarte Pacheco, o então ministro das Obras Públicas e Comunicações.

— Na Comissão Organizadora da Comemoração dos Centenários, em parceria com Paulino Montez, Porfírio Pardal Monteiro e Raul Lino.

— No Comissariado da Exposição do Mundo Português, com Augusto de Castro (comissário-geral) e Sá e Melo (comissário adjunto); em vários projetos no âmbito da arquitetura na Exposição do Mundo Português, trabalha com: Cassiano Branco (largo fronteiro à entrada da Secção Colonial), Keil do Amaral (Parque de Atrações), Raul Lino e Jorge Segurado (núcleos das Aldeias Portuguesas), Cristino da Silva (Pavilhão de Honra e de Lisboa), Porfírio Pardal Monteiro (Pavilhão dos Descobrimentos), Carlos Ramos (Pavilhão da Colonização), Veloso Reis Camelo e João Simões (conjunto de pavilhões da Etnografia Metropolitana), António Lino (Parque Infantil e Jardim dos Poetas Líricos e Secção de Etnografia), Paulo Cunha (Teatro ao Ar Livre), Vasco Lacerda Marques (Porta da Restauração), Rodrigues Lima (Pavilhão da Fundação, Pavilhão da Formação e Conquista, Pavilhão da Independência), Gonçalo de Mello Breyner e Vasco Palmeiro Regaleira (Secção de Etnografia), Adelino Nunes (Pavilhão dos Correios e Telecomunicações); no âmbito da produção da Exposição do Mundo Português conta com a colaboraçãode uma equipa multidisciplinar constituída por: Gustavo de Matos Sequeira, Afonso Dornelas, Júlio Caiola, Norberto de Araújo, Pastor Macedo, Leitão de Barros, Fontoura da Costa, Quirino da Fonseca, Henrique Galvão.

— Na Comissão Administrativa do Plano de Obras da Praça do Império e da Zona Marginal de Belém (CAPOPI) trabalha em colaboração com Sá e Melo, com quem já havia trabalhado no Comissariado da Exposição do Mundo Português (comissário-adjunto) e na Comissão Administrativa do Plano de Obras da Cidade Universitária de Coimbra; ainda na CAPOPI, Cottinelli trabalha com os jovens arquitetos Lucínio Cruz, Bernardim Fabião, Alberto José Pessoa, João Castilho e Edgar Duarte de Almeida (os mesmo que trabalham na Comissão Administrativa do Plano de Obras da Cidade Universitária de Coimbra).

— Na Comissão Administrativa do Plano de Obras da Cidade Universitária de Coimbra trabalha com Maximino Correia; trabalha ainda com Baltazar de Castro, que assistia à comissão enquanto arquiteto especializado em obras em monumentos nacionais, representando a Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais.

— Colabora com Mário Novais, seu amigo e companheiro de trabalho, com quem faz inúmeras campanhas fotográficas, ao longo do país.

1918 — Cria o logótipo da Lusitania Film, empresa cinematográfica.

1918 — Participa, como bailarino, nos bailados de Almada Negreiros no Teatro de São Carlos.

1918 — Compõe música e dirige a orquestra na festa dos estudantes de Belas-Artes, no Teatro de São Carlos.

[1919-1920] — Vence o concurso público para a criação do logótipo e respetivas aplicações (cartaz, papel timbrado, cartão de visita e envelope) para a companhia de seguros “A Glória Portuguesa”.

1920 — Elabora um conjunto de ilustrações para capa, separadores e vinhetas para o livro O Mundo dos Meus Bonitos, da autoria de Augusto Santa-Rita. Esta obra foi referida no Catálogo do I Salão dos Independentes (1930), como uma das obras que integrou o Movimento Moderno em Portugal.

1920 — Cria a banda-desenhada (texto e desenhos) de As Aventuras Inacreditáveis (e com Razão) do Tio Pirilau que Vendia Balões, publicada no semanário ilustrado ABC.

1921-1922 — Colabora na Ilustração Portuguesa, dirigida por António Ferro.

1921-1922 — Vence, com Carlos Ramos e Luís da Cunha, o concurso para a construção do Pavilhão de Honra de Portugal na Exposição Internacional do Rio de Janeiro, Brasil.

1921-1929 — Dirige a revista infantil ABCzinho.

1928 — Desenha o cartaz de propaganda para a Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses, referente a viagens no Sud-Express, de Lisboa para a Europa.

1929 — Ganha o terceiro prémio do concurso público para a construção do Pavilhão de Portugal na Exposição Ibero-Americana de Sevilha, Espanha.

1930 — Participa no I Salão dos Independentes, promovido pela Sociedade Nacional de Belas-Artes.

1931 — Vence o concurso para a construção do Liceu de Lamego: autor do projeto de construção.

1933 — Realiza e escreve o argumento do filme A Canção de Lisboa, produzido pelo Estúdio Cinematográfico da Tobis.

1936 — Cria a coleção de selos postais sobre o tema “As Colónias Portuguesas”.

1936 — Compõe a música do hino da Mocidade Portuguesa.

[1937-1938] — Realiza o documentário Máquinas e Maquinistas.

[1937-1938] — Realiza o documentário Obras de Arte.

[1937-1938] — Realiza o documentário Gente da Via.

1941-1942 — Colunista de crítica de arte no jornal Acção.

1942 — Cria a série de selos postais “Castelos Portugueses”.

1947 — Cria uma coleção de selos postais para a Grande Exposição Industrial Portuguesa.

1948 — Cria a série de selos postais para integrar a Exposição de Obras Públicas, Congressos de Engenharia e Arquitetura.

1961 — É-lhe atribuída, a título póstumo, a Medalha de Ouro da Cidade de Lisboa, pela Câmara Municipal de Lisboa.

S.d — Escreve o argumento do filme Casal dos Corvos.

S.d — Cria uma série de logótipos e Ex-libris, tais como: Vitam Impemdere Vero, Oremus, Ateneu Ferroviário — Biblioteca, Ex-libris Maria Luísa e Ex-libris Luís Passos - Persiste e Vencerás.

FONTES ARQUIVÍSTICAS:

IHRU: Arquivo Pessoal de José Cottinelli Telmo: acervo documental com âmbito cronológico balizado entre 1910 e 1948, constituído por: 347 unidades arquivísticas, nas quais se integram: um conjunto de cerca de 372 documentos gráficos, entre desenhos técnicos, estudos e croquis; 3777 imagens fotográficas e 3 maquetas. Esta variedade de registos encontra-se associada a uma riqueza e diversidade de conteúdos, representativos das várias vertentes da atividade artística e técnica do seu autor nos domínios da arquitetura, ilustração, artes gráficas, artes plásticas e cinema, entre outras.

Ephemera — Biblioteca e Arquivo de José Pacheco Pereira: Espólio da Família Leitão de Barros / Espólio do Coronel Marques Leitão

Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses (CP): Arquivo Técnico da Direção-Geral de Infraestruturas; Arquivo Histórico

Ministério das Obras Públicas e Comunicações: Arquivo Histórico: Núcleo Documental do Comissariado da Exposição do Mundo Português.

Arquivo da Direção-Geral do Ordenamento do Território: Processo de Urbanização de Fátima.

Câmara Municipal de Lisboa: Arquivo Histórico; Arquivo Geral.

Ministério da Educação: Centro de Documentação e Informação, Biblioteca.

BIBLIOGRAFIA

DO AUTOR:

— “ALMADA. Trinta anos de desenho, de agitação de ideias e problemas artísticos, de mocidade e de espírito”. Colóquio. Artes. 2.ª série, ano 23, n.º 48, mar. 1981, pp. 14-19. (também publicado em O Mundo de Almada. Lisboa, 1984 e Todo Almada. Lisboa, 1994).

— “ASPECTOS morais e materiais do exercício da profissão de arquiteto”. I Congresso Nacional de Arquitectura. Relatório da Comissão Executiva. Teses, Conclusões e Votos do Congresso. Lisboa: Sindicato Nacional dos Arquitectos, 1948, pp. 111-118.

— “ARQUITECTOS e urbanismo”. Boletim da Direcção-Geral dos Serviços de Urbanização. Lisboa: MOPC, 1945-1946, vol. 1, pp. 14-19.

— “A ARQUITETURA e as obras públicas”. 15 Anos de Obras Públicas. 1932-1947. Livro de Ouro. Vol. 1.Lisboa: Comissão Executiva da Exposição de Obras Públicas, 1948, pp. 27-28.

— “ARQUITECTURA nacional — arquitectura internacional”. I Congresso Nacional de Arquitectura. Relatório da Comissão Executiva. Teses, Conclusões e Votos do Congresso. Lisboa: Sindicato Nacional dos Arquitectos, 1948, pp. 61-65.

A ARQUITECTURA Portuguesa: “Projecto de uma igreja”, fev. 1933, ano 26, n.º 2, pp. 9-12. “Casa de 6 compartimentos para o Sul do país”., jun. 1933, ano 26, n.º 6, pp. 41-42; “Casa de 9 compartimentos para o Sul do país”, jul. 1933, ano 26, n.º 7, pp. 53-54; “Casa de 9 compartimentos para o Sul do país”, ago.-set. 1933, ano 26, n.º 8/9, p. 71; “Novo edifício de passageiros na estação do Carregado”, nov. 1933, ano 26, n.º 11, pp. 101-103; “Novo edifício de passageiros na estação do Carregado”, jan. 1933, ano 27, série 2, ano 5, pp. 1-4.

BOLETINS da CP: “O novo edifício de passageiros da estação do Carregado”, n.º 35, mai., 1932, pp. 87-88; “o edifício da estação de Tomar”, n.º 39, set., 1932, pp. 166-167; “Como se faz uma fita de cinema”, n.º 55, jan., 1934, pp. 5-9; “Viajar”, n.º 78, dez., 1935, pp. 255-259; “Novo armazém de víveres do Barreiro”, n.º 88, out., 1936, pp. 237-240; “Saber viajar”, n.º 90, dez., 1936, pp. 319-325; “A propósito do concurso de ex-libris para a Biblioteca do Ateneu Ferroviário”, n.º 102, dez., 1937, pp. 346-352; “Obras de arte, obras de escultura”, n.º 117, mar., 1939, pp. 60-66; “Taquigrafia”, n.º 135, set., 1940, pp. 177-180; “Documentários cinematográficos ferroviários”, n.º 198, dez., 1945, pp. 226-232.

I Congresso Nacional de Arquitectura. Relatório da Comissão Executiva. Teses, Conclusões e Votos do Congresso. Lisboa: Sindicato Nacional dos Arquitectos, 1948, pp. 32-33, discurso proferido pelo presidente da comissão executiva (também publicado em 15 Anos de Obras Públicas. 1932-1947. Livro de Ouro. Vol. 2.Lisboa: Comissão Executiva da Exposição de Obras Públicas, 1948, pp. 17-18.

— “A EXPOSIÇÃO do Mundo Português”. 15 Anos de Obras Públicas. 1932-1947. Livro de Ouro. Vol. 1.Lisboa: Comissão Executiva da Exposição de Obras Públicas, 1948, pp. 179-180.

EVOLUÇÃO do Pensamento Arquitectónico, [18 jan. 1947], manuscrito e datiloscrito (espólio de Cottinelli Telmo).

— “DUARTE Pacheco” (manuscrito s.d., não concluído) transcrito por João Paulo MARTINS — Cottinelli Telmo / 1897-1948: A Obra do Arquitecto. S.l.: s.n., 1995, vol. II, pp. 247 – 277. Dissertação de mestrado apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, policopiado (espólio de Cottinelli Telmo).

A MISSÃO do Arquitecto, 2 mar. 1943, discurso efetuado numa palestra para a Mocidade Portuguesa (espólio Cottinelli Telmo).

— MONUMENTO ao Infante D. Henrique — Dados para a História deste Escândalo Artístico, rascunho manuscrito não concluído (espólio de Cottinelli Telmo).

— “OS NOVOS edifícios públicos”. Conferências sobre Problemas de Urbanização, nov. 1934-jan. 1935, separata das referidas conferências realizadas no Salão Nobre dos Paços do Concelho (espólio Cottinelli Telmo).

— "UM PALÁCIO comunista em Lisboa", 1948, manuscrito redigido para resposta a artigo publicado no Século, não assinado, 1948 (espólio de Cottinelli Telmo).

— “PROJETO de um monumento à hesitação”, Flama, abr. 1947, ano 3, n.º 36, 1947, p. 4. (também publicado em O Século, 31 mar. 1947, p. 1.)

— “O QUE costumam ser e o que poderiam ser os monumentos comemorativos”. O Diabo, 16 set.1934, n.º 12, p. 12.

— "QUEM é Quem em Portugal?" Biografias Autênticas dos Mais Notáveis Homens Portugueses da Actualidade. S.l.: Portugália Editora, Lda., 1945.

— [REQUERIMENTO dirigido ao Presidente do Conselho, António Oliveira Salazar] sobre o resultado do vencedor ao concurso público relativo ao Monumento ao Infante D. Henrique, s.d., entregue no Ministério da Presidência do Conselho de Ministros a 27 de agosto de 1934 (espólio de Cottinelli Telmo).

— “RENOVAÇÃO da fisionomia da cidade”. Primeira Reunião Olisiponense. Lisboa: Câmara Municipal de Lisboa, 1948, vol. 2, pp. 49-69.

— “SESSÃO de encerramento”. I Congresso Nacional de Arquitectura. Relatório da Comissão Executiva. Teses, Conclusões e Votos do Congresso. Lisboa: Sindicato Nacional dos Arquitectos, 1948, pp. 49-52, discurso do presidente da comissão executiva. (também publicado em 15 Anos de Obras Públicas. 1932-1947. Livro de Ouro. Lisboa: Comissão Executiva da Exposição de Obras Públicas, 1948, vol. 2. pp. 312-314.

A VOLTA ao Mundo numa Casquinha de Noz. S.l: s.n., s.d. (espólio de Cottinelli Telmo).

BIBLIOGRAFIA

SOBRE O AUTOR:

AA.VV. — O Estado Novo das Origens ao Fim da Autarcia (1926-1959). Lisboa: Fragmentos, 1987, 2 vols.

ABRAGÃO, Frederico de Quadros — Caminhos de Ferro Portugueses: Esboço da sua História. Lisboa: CP, 1956.

ACCIAIOULI, Margarida — Os Anos 40 em Portugal: O País, o Regime e as Artes “Restauração” e “Celebração”. Lisboa: s.n. Dissertação de doutoramento apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, 1991, texto policopiado.

ACCIAIOULI, Margarida — Os Cinemas de Lisboa: um Fenómeno Urbano do Século XX. Lisboa: s.n. Dissertação de mestrado apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, 1982, texto policopiado.

ALEGRIA, Maria Fernanda — A Organização dos Transportes em Portugal (1850-1910). As Vias e o Tráfego. Lisboa: Centro de Estudos Geográficos, 1990.

ARAÚJO, Norberto — “Cottinelli Telmo sonhador de beleza e criador de belas realidades”. Diário de Lisboa, 19 set. 1948, pp. 1-2.

BARROS, Fernando — “Noticiário cinematográfico. Três filmes ferroviários de Cottinelli Telmo”. O Diabo, 31 dez. 1938, n.º 223, p. 6.

CABRAL, Manuel Villaverde — A Tobis no Lumiar. Um Espaço Moderno. S.l: s.n, 1991. Trabalho efetuado para a cadeira de História da Arte Contemporânea, no âmbito do mestrado em História da Arte apresentado à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da UNL, texto policopiado.

CASTRO, Augusto — A Exposição do Mundo Português e a sua Finalidade Nacional. Lisboa: Empresa Nacional de Publicidade, 1940.

FERNANDES, José Manuel — Arquitectura Modernista em Portugal (1890-1940). Lisboa: Gradiva, 1993.

FERNANDES, José Manuel; Janeiro, Maria de Lurdes — Arquitetura Modernista em Lisboa. 1923-1940. Lisboa: CML, 1991.

FERNANDEZ, Sergio — Percursos. Arquitectura Portuguesa 1930 / 1974. Porto: FAUP, 1985.

FRANÇA, José-Augusto — A Arte e a Sociedade Portuguesa no Século XX. 2.ª ed. Lisboa: Horizonte, 1980.

FRANÇA, José-Augusto — A Arte em Portugal no Século XX. 2.ª ed. Lisboa: Bertrand, 1984.

FRANÇA, José-Augusto — O Modernismo na Arte Portuguesa. 2.ª ed. Lisboa: Instituto de Língua e Cultura Portuguesa, 1983.

GAIO, Eduardo Frutuoso — Apontamentos da História dos Caminhos de Ferro em Portugal. Sintra: Sintra Gráfica, 1956-1957.

HUMBERT, Georges-Charles — Traité Complet des Chemins de Fer. Paris: Baudry, 1891.

MARTINS, João Paulo — Cottinelli Telmo (1897-1948). A Obra do Arquitecto. Lisboa: s.n., 1995. Dissertação de mestrado apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, texto policopiado.

MUNDO Português. Imagens de uma Exposição Histórica. 1940. Lisboa: Edições SNI, 1956.

PEREIRA, Nuno Teotónio; FERNANDES, José Manuel — “A arquitectura do Estado Novo de 1926 a 1959”. O Estado Novo das Origens ao Fim da Autarcia (1926-1959), Lisboa: Fragmentos, 1987, vol. II, pp. 323-357.

PEDREIRINHO, José Manuel — Dicionários dos Arquitectos Activos em Portugal desde o Século I à Actualidade. Porto: Edições Afrontamento, 1994.

PORTAS, Nuno — “Arquitectura e urbanística na década de 40”. Os Anos 40 na Arte Portuguesa. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1982, vol. 6.

PORTELA, Artur — Salazarismo e Artes Plásticas. Lisboa: Instituto de Cultura e Língua Portuguesa, 1982.

RIBEIRO, Félix — Filmes, Figuras e Factos da História do Cinema Português. 1896-1949. Lisboa: Cinemateca Portuguesa, 1983.

TOSTÕES, Ana — Os Verdes Anos na Arquitectura Portuguesa dos Anos 50. Porto: FAUP publicações, 1997.

VITERBO, Sousa — Dicionário Histórico e Documental dos Engenheiros, Arquitectos e Construtores Portugueses. Lisboa: Imprensa Nacional, 1899-1922 (fac-símile Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1988).

ASSINATURA

E RUBRICA:

PRODUÇÃO:

ATUALIZAÇÃO:

REVISÃO CIENTÍFICA:

Maria João Reis Martins, dezembro, 2012.

Maria João Reis Martins, abril, 2014.

 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login