Termas romanas de Maximinos / Alto da Cividade / Colina dos Maximinos

IPA.00000307
Portugal, Braga, Braga, União das freguesias de Braga (Maximinos, Sé e Cividade)
 
Arquitectura civil pública, romana. Ruínas arqueológicas de um edifício monumental de termas públicas cuja construção se integra na renovação urbanística flávia de Bracara Augusta.
Número IPA Antigo: PT010303070040
 
Registo visualizado 373 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

Categoria

Monumento

Descrição

A planta total do edifício, localizado na parte mais alta de Braga, não foi ainda totalmente posta a descoberto. Trata-se de um edifício de razoáveis dimensões, construído na segunda metade do séc. 1 e que funcionou até ao séc. 5. O primeiro projecto, que incluia duas áreas quentes e, muito provávelmente, duas áreas de serviços autónomas, foi consideravelmente restringido numa profunda remodelação operada entre finais do séc. 3, inícios do séc. 4.

Acessos

Colina de Maximinos, Rua dos Bombeiros Voluntários.

Protecção

MN - Monumento Nacional, Dec. nº 1/86, DR, 1ª Série, nº 2 de 03 janeiro 1986 / ZEP, Portaria, 865/91, DR, 1ª Série-B, nº 192 de 22 agosto 1991

Grau

1 – imóvel ou conjunto com valor excepcional, cujas características deverão ser integralmente preservadas. Incluem-se neste grupo, com excepções, os objectos edificados classificados como Monumento Nacional.

Enquadramento

Urbano, isolado, implantado na colina de Maximinos, na proximidade do Museu D. Diogo de Sousa.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Assistencial: termas

Utilização Actual

Marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: municipal

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 1 / 2 / 3 / 4

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Séc. 1 d.C., 2ª metade / séc. 3, finais - o estudo do espólio proveniente das primeiras camadas de nivelamento sobrepostas à rocha, permite concluir que o edifício foi construído na primeira data e utilizado sem alterações significativas até à segunda data; séc. 2 - construção de um teatro; séc. 3 d.C., finais - profunda remodelação que reduziu substancialmente a área total das termas; séc. 4 - desactivação do teatro que existia junto às termas, sendo a pedra usada na construção da muralha da cidade; séc. 5 d.C. - o edifício é abandonado como conjunto termal; 1994 - a Câmara Municipal de Braga solicita ao presidente do IPPAR ajuda financeira para aquisição de terrenos necessários à construção da reserva arqueológica da Colina de Maximinos; 1999 - escavações arqueológicas põem a descoberto um teatro; 2004 - projecto da responsabilidade da Câmara Municipal de Braga, com o apoio do Plano Operacional da Cultura.

Características Particulares

Nos finais do séc. 3 foi profundamente remodelado numa obra que pode estar relacionada com todo um programa de renovação urbana decorrente da promoção da cidade a capital da província da Galécia por Diocleciano.

Dados Técnicos

Materiais

Estruturas em granito.

Bibliografia

Património Arquitectónico e Arqueológico Classificado, Inventário, Lisboa, 1993, vol. 3, Distrito de Braga, p. 35; MARTINS, M. e DELGADO, M., História e Arqueologia de uma cidade romana: Bracara Augusta, Cadernos de Arqueologia, Série II, 6 - 7, Braga, 1989 - 1990, p. 20; DELGADO, M., GASPAR, A. e LEMOS, F. S., O Salvamento de Bracara Augusta, I Encontro Nacional de Arqueologia Urbana, Set. 1985, Trabalhos de Arqueologia, 3, Lisboa, 1986, pp. 35 - 36; Câmara quer terrenos na reserva arqueológica da colina de Maximinos, Jornal de Notícias, Porto, 19 / 09 / 1994; LEMOS, Francisco Sande, Património classificado do concelho de Braga, in Diário do Minho, 26 Julho 2004; CARVALHO, Elisabete, Arqueólogos procuram orquestra do teatro romano da Cividade, in Diário do Minho, 7 Agosto 2006, p. 7; SOUSA, Denise, Teatro romano será devolvido ao povo em 2007, in Jornal de Notícias Minho, 1 Setembro 2006.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

DGEMN: DSID

Documentação Administrativa

DGEMN: DSID

Intervenção Realizada

1977, Agosto - Início das escavações tendo sido detectados os hipocaustos tardios; 1977 / 1980 - alargamento da área de escavação tendo sido postos a descoberto 800 m2; 1980 / 1986 - intervenções pontuais como o objectivo de tentar solucionar problemas específicos de ordem cronológica e arquitectónica; UAUM: 2005 / 2006 - realização de escavações junto às termas de modo a por a descoberto a teatro romano aí existente.

Observações

Não foi ainda totalmente escavado colocando numerosos problemas de ordem arquitectónica e cronológica.

Autor e Data

Isabel Sereno / Paulo Dordio 1994

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login