Barragem Romana de Nossa Senhora da Represa

IPA.00000130
Portugal, Beja, Cuba, Vila Ruiva
 
Represa construída com a solidez e funcionalidade que caracterizam a arquitectura romana, sendo característica a utilização de opus signinum como revestimento impermeável na face do paredão que estava em contacto com a água. Construção de carácter utilitário, rara na região e que revela o cuidado posto pelos romanos no aproveitamento da água no incremento da agricultura.
Número IPA Antigo: PT040207040012
 
Registo visualizado 718 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Hidráulica de contenção  Represa    

Descrição

Paredão curvo de alvenaria de pedra e cal, com c. de 65m de comprimento (visível) por uma altura máxima de 2m, amparado a jusante, a O., por oito contrafortes irregularmente espaçados; no pano interior do paredão, virado a montante são visíveis vestígios de um revestimento de opus signinum.

Acessos

EN 258, ao Km 2.

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto n.º 67/97, DR, 1.ª série-B, n.º 301 de 31 dezembro 1997

Enquadramento

Rural, isolado numa planície, rodeada por terrenos agrícolas pontuados por oliveiras, junto a afluente da Ribeira de Odivelas, que passa junto a um adas suas extremidades *1; a zona de albufeira encontra-se totalmente assoreada. A c. de 100m da Ermida de Nossa Senhora da Represa (v. PT040207040010 ).

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Hidráulica: represa

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: municipal

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Época romana

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido

Cronologia

Época romana - construção; 1947 - referida pela 1ª vez por Abel Viana, que refere vestígios de mais 12 contrafortes; 1996, 17 Junho - Despacho de classificação como Imóvel de Interesse Público.

Dados Técnicos

Paredes autoportantes

Materiais

Alvenaria de pedra e cal, opus signinum

Bibliografia

QUINTELA, António de Carvalho e MASCARENHAS, José Manuel, Aproveitamentos hidráulicos romanos a Sul do tejo, 1987; BORGES, Emília Salvado, O Concelho de Cuba - Subsídios para o seu Inventário Artístico, Cuba, 1989; ESPANCA, Túlio, Inventário Artístico de Portugal, Distrito de Beja, Lisboa, 1992.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID; CMC

Documentação Administrativa

CMC

Intervenção Realizada

Observações

*1 - primitivamente a linha de água devia prolongar-se igualmente pela outra extremidade.

Autor e Data

Ricardo Pereira 2000

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login