Igreja Paroquial de São Vítor / Igreja de São Vítor

IPA.00001961
Portugal, Braga, Braga, Braga (São Vítor)
 
Arquitectura religiosa, maneirista e barroca. Igreja paroquial de transição com planta longitudinal de uma só nave, sacristia e torre sineira adossados em eixo seguindo o esquema tradicional bracarense. Alçados laterais ritmados e fachada principal enquadrada por pilastras nos cunhais terminada em frontão triangular, com portal de verga recta com pilastras jónicas e frontão triangular, óculo, nichos e cartelas. Empena saliente, pináculos e cruz sobre acrotério. Decoração interior com retábulos de talha dourada barroca e azulejos barrocos do chamado ciclo dos mestres.
Número IPA Antigo: PT010303510033
 
Registo visualizado 341 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  

Descrição

Planta longitudinal, composta por nave única, capela-mor com sacristias laterais e torre quadrangular adossados em eixo. Volumes articulados com coberturas diferenciadas em telhados de quatro e duas águas. Alçados percorridos por embasamento avançado. Fachada principal toda em granito com pilastras nos cunhais e terminada em frontão triangular com brasão do Arcebispo Dom Luís de Sousa, no tímpano, coroado por pináculos laterais e cruz cardinalícia sobre acrotério ao centro. Portal de verga recta com pilastras jónicas, suportando frontão triangular encimado por óculo oval decorado com enrolados, tendo de cada lado dois nichos em arco pleno, suportados por três mísulas e encimados por frontões triangulares que albergam as figuras de dois arcebispos, e duas cartelas rectangulares ornamentadas com enrolados, dizendo a do lado esquerdo "D. LVDOVICVS A SOVSA ARCHIEPISCOPVS AC DNS BRACHARENSIS HISPANIARVM PRIMAS REGIAE MAIESTATIS A STATVS CONSILIIS" e a outra "TEMPLVM HOC VETERI FERE COLLA BENTE A FVNDAMENTIS EREXIT ET DIVO VICTORI DICAVIT ANNO INCARNATIONIS DOMINI 1686". Alçados laterais semelhantes, ritmados por pilastras sobrepujadas sobre os telhados por bolas sobre plintos, rasgados por cinco janelões e porta na nave e dois janelões na capela-mor. Torre sineira com acesso interior, delimitada por cunhais de cantaria e três registos, tendo no superior quatro sineiras. Remate em pináculos sobre os cunhais e cobertura piramidal com catavento. Interior forrado de azulejos historiados azuis e brancos, organizados em dois níveis, coro-alto sobre arco abatido e com balaustrada de madeira, ladeado por órgão de tubos; sub-coro tendo à esquerda pia baptismal de mármore num vão de arco abatido com grades de ferro, e à direita vão com arco abatido. Colateralmente duas pias de água benta em granito, dois confessionários, dois vãos rectangulares com altares, quatro capelas de arco pleno com retábulos de talha dourada e dois púlpitos quadrados, com base de pedra sobre mísula e guardas de madeira e oito janelões com varandim em madeira e sanefas de talha. Arco triunfal, de arco pleno sobre pilastras, com sanefa de talha. Tecto de granito de perfil curvo, de caixotões. Capela-mor com azulejos historiados azuis e brancos, dois janelões com varandim em madeira e sanefas de talha, retábulo de talha dourada com imagem de Cristo, com cortina que resguarda a tribuna com o trono eucarístico, ladeado pelas imagens de São Vítor e São José, a que se acede por quatro degraus de granito. Tecto de granito de perfil curvo, com caixotões. Sacristia, do lado esquerdo, com janela rectangular e porta, onde se destaca arcaz, guarda roupa e lavabo de granito. A sacristia do lado direito, adaptada a casa mortuária, tem uma porta e quatro janelas rectangulares.

Acessos

Rua de São Vítor

Protecção

IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 129/77, DR nº 226 de 29 setembro 1977

Grau

1 – imóvel ou conjunto com valor excepcional, cujas características deverão ser integralmente preservadas. Incluem-se neste grupo, com excepções, os objectos edificados classificados como Monumento Nacional.

Enquadramento

Urbano, situa-se num pequeno largo murado e protegido com grades, numa plataforma empedrada a um nível superior à rua a que se acede por escadaria em granito com arranque em volutas e portão de grades em ferro. Tem à esquerda um pequeno adro onde se situa a residência paroquial.

Descrição Complementar

Os painéis de azulejos que decoram a nave, representam entre outros, aspectos da vida de Santa Liberata, São Rosendo, São Cucufate e São Torcato. Os da capela-mor mostram aspectos da vida e martírio de São Vítor, os do coro São Paterno e o do baptistério, o baptismo de São Gonçalo. Os altares, da esquerda, evocam, respectivamente, o Menino Jesus, Santo António e o Sagrado Coração de Jesus e os da direita, São Pedro, as Almas do Purgatório e Nossa Senhora das Dores. O órgão, de tubos, está colocado num varandim assente em mísulas.

Utilização Inicial

Religiosa: igreja paroquial

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese de Braga)

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 17 / 18 / 19

Arquitecto / Construtor / Autor

Arquitecto: Miguel Lescole; Entalhador: Damião da Costa Figueiredo; Pedreiros: Pascoal Fernandes, Domingos Moreira; Pintor: Gabriel del Barco (atr. azulejos); Organeiro: Manuel de Sá Couto.

Cronologia

1686 - Início da construção; 1691 - construção do forro, tribuna, sacristia, e acrescento da torre; 1692 / 1693 - revestimento de azulejos; 1645 - execução da tribuna do retábulo-mor pelo entalhador Damião da Costa Figueiredo; 1747 - conserto da torre; 1814 / 1815 - execução e colocação do órgão, por Manuel de Sá Couto; 1905 / 1906 - execução e colocação da sanefa do arco-cruzeiro.

Dados Técnicos

Estrutura mista.

Materiais

Granito na estrutura do monumento, púlpitos, pias de água benta, abóbadas, pavimentos e escadas; mármore na pia baptismal; madeira nas portas, soalho, altares, sanefas, órgão, sacadas e balaústres do coro-alto; ferro no gradeamento da pia baptismal; azulejos nas paredes; cobertura exterior em telha.

Bibliografia

SMITH, Robert, Três estudos Bracarenses, Braga, 1972; COSTA, Luís, A Igreja de S. Vítor. Alguns elementos para a história desta igreja, Braga, 1979; GONÇALVES, Flávio, As obras setecentistas da Igreja de Nossa Senhora da Ajuda de Peniche e o seu enquadramento na Arte Portuguesa da primeira metade do século XVIII, Porto, 1984; MOREIRA, Rafael, Do rigor técnico à urgência prática: a Arquitectura militar in História da Arte em Portugal, vol. 8, Lisboa, 1986; COSTA, Joaquim Morais, III Centenário da Fundação da Igreja de S. Victor, Braga, 1986; Vv.Aa., Dicionário da Arte Barroca em Portugal, Lisboa, 1989; VALENÇA, Manuel, A Arte Organística em Portugal, vol. II, Braga, 1990; ROCHA, Manuel Joaquim Moreira da, Arquitectura civil e religiosa de Braga nos séculos XVII e XVIII, Braga, 1994; OLIVEIRA, Eduardo Pires de, O edifício do Convento do Salvador - De mosteiro de freiras ao Lar Conde de Agrolongo, Braga, 1994; PEREIRA, Ana Maria Magalhães de Sousa, Da casa grande dos Pelames à casa nova da rua Dom Gualdim, Porto, FLUP, 1997 (Dissertação de Mestrado).

Documentação Gráfica

DGEMN: DREMN

Documentação Fotográfica

DGEMN: DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Fábrica da Igreja Paroquial de São Vítor: 1973 - Limpeza e consolidação dos azulejos.

Observações

A sanefa do cruzeiro foi realizado pela oficina Sousa Braga; O órgão foi construído por Manuel de Sá Couto e o seu coreto por Bernardo Fernandes.

Autor e Data

João Santos / António Dinis 1997

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login