Pelourinho de Senhorim / Cruzeiro de Senhorim

IPA.00030307
Portugal, Viseu, Nelas, Senhorim
 
Arquitectura político-administrativa e judicial, quinhentista. Pelourinho de gaiola circular, com fuste em coluna toscana e remate piramidal, encimado por cruz latina.
Número IPA Antigo: PT021809050132
 
Registo visualizado 186 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

Categoria

Monumento

Descrição

Estrutura em cantaria de granito, assente em afloramento granítico, de onde evolui coluna toscana, com capitel simples e remate em gaiola, encimado por pináculo piramidal e cruz latina simples.

Acessos

Em Senhorim, no Lugar da Vila. WGS84 (graus decimais) lat.: 40.538942; long.: -7.817906 (à freguesia)

Protecção

Inexistente

Grau

5 - registo em pré-inventário com um preenchimento mínimo dos campos… e pressupondo a existência de um registo iconográfico.

Enquadramento

Rural, isolado, implantado em terreno de pasto.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Político-administrativa: pelourinho / Judicial: pelourinho (concelho do senhorio da Casa de Santar)

Utilização Actual

Religiosa: cruzeiro

Propriedade

Privada: Igreja Católica

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 16 (conjectural)

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

1140 - a povoação recebe foral de D. Afonso Henriques; 1514, 30 Março - concessão de pelourinho por D. Manuel I; provável feitura do pelourinho; a povoação pertence à família Cunha, senhores de Santar; 1708 - a povoação, com 170 vizinhos, é administrada pela Junta dos Três Estados, por fuga de D. Lopo da Cunha; tem juiz ordinário, vereadores, procurador, escrivão da câmara, eleito anualmente, juiz dos órfãos com o respectivo escrivão e um tabelião; 1758, 18 Maio - nas Memórias Paroquiais, assinadas por Luís Coelho do Amaral, é referido que a povoação, com 149 vizinhos, é do rei; pertence à Comarca de Viseu; tem juiz ordinário e câmara; séc. 19 - extinção do concelho.

Características Particulares

Pelourinho com uma gaiola de formato pouco vulgar, não muito diferente da secção circular do Pelourinho de Óvoa (v. PT021814020002). Foi transformado em cruzeiro e evolui sobre um afloramento granítico.

Dados Técnicos

Sistema estrutural autónomo.

Materiais

Estrutura em cantaria de granito.

Bibliografia

MALAFAIA, E.B. de Ataíde, Pelourinhos Portugueses - tentâmen de inventário geral, Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1997.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

Documentação Administrativa

DGARQ/TT: Memórias Paroquiais (vol. 8, n.º 88, fl. 615-620)

Intervenção Realizada

Nada a assinalar.

Observações

EM ESTUDO

Autor e Data

Paula Figueiredo 2010

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login