Edifício na Avenida da República, n.º 15 - 15A / Pastelaria Versailles

IPA.00004006
Portugal, Lisboa, Lisboa, Avenidas Novas
 
Arquitectura residencial e arquitectura comercial, ecléctica. Edifíco de habitação com 6 pisos, de planta rectangular e disposição vertical de volumes, ocupado no térreo por um estabelecimento comercial. No conjunto destaca-se a fachada principal, de composição assimétrica e profusamente ornamentada, conjungando elementos filomórficos, geométricos, volutas, colunas, pilastras e balaustradas. No seu eclectismo combina-se a tendência neoclássica de inspiração francesa com elementos neobarrocos.
Número IPA Antigo: PT031106230184
 
Registo visualizado 239 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

Categoria

Monumento

Descrição

Planta rectangular simples para um volume de acentuada verticalidade. Dispõe de 6 pisos e cobertura em telhado de 2 águas. O piso térreo é ocupado por um estabelecimento comercial, encontrando-se no topo o acesso ao edifício. O último piso é em mansarda. Fachada principal dividida em 2 panos distintos, de extensão e composição diferenciadas. Pano esquerdo: r/c - 1 porta, inscrita em arco pleno, em ferro com motivos ondulantes e vidro, encimada por verga monumental em ressalto que serve de consola aos pisos superiores. Fenestração regular, 1 janela de sacada em cada piso, de vão rectangular e guardas de ferro abauladas com motivos ondulantes. O último piso, é coroado por uma espécie de coruchéu, no qual se abre 1 janela inscrita em arco pleno, com balaustrada, verga saliente emoldurada a cantaria, e aduela em ressalto ladeada por volutas assente em colunas duplas. Pano direito: r/c - 1 porta ladeada por colunas robustas, com os capitéis e 1/2 fuste decorados com motivos florais e 2 vitrines de aros metálicos. 1º e 2º pisos - janelas ligeiramente recuadas, de vão rectangular, ladeadas por colunas, que abrangem os 2 pisos. 3º piso - varanda inscrita em arco abatido com balaustrada em forma de concha, verga bastante saliente recebe o 4º piso, em ressalto e assente em 2 mísulas monumentais que ladeiam a varanda. 4º piso - 5 janelas de vão rectangular que se abrem para uma espécie de tribuna, com 4 colunas esguias que sustentam entablamento e platibanda em balaustrada. 5º piso - em forma de mansarda, tem 3 janelas encimadas por frontão triangular.

Acessos

Avenida da República, nº 15 - 15 - A. WGS84 (graus decimais) lat.: 38,735515, long.: -9,145810

Protecção

IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto n.º 2/96, DR, 1.ª série-B, n.º 56 de 6 março 1996 *1

Grau

2 - imóvel ou conjunto com valor tipológico, estilístico ou histórico ou que se singulariza na massa edificada, cujos elementos estruturais e características de qualidade arquitectónica ou significado histórico deverão ser preservadas. Incluem-se neste grupo, com excepções, os objectos edificados classificados como Imóvel de Interesse Público.

Enquadramento

Urbano. Situa-se no lado O. da avenida, isolado, tendo à sua volta edifícios da mesma tipologia. Destaca-se pela sua verticalidade.

Descrição Complementar

Pastelaria Versailles: ocupa todo o pano direito do edifício (E.), ao nível térreo, assinalada por duas vitrines de aros metálicos a ladear a porta - de caixilharia de madeira envidraçada - de acesso, rasgada ao centro entre duas colunas robustas, com os capitéis e ½ fuste decorados por motivos florais. O estabelecimento tem planta rectangular irregular, sendo o seu interior constituído por uma zona de balcão, por um salão amplo e uma zona sobreelevada (estas últimas ocupadas por mesas e cadeiras), ao qual se segue a zona da instalação sanitária, cozinha, escritório e armazém. INTERIOR: ecléctico, de sugestão rocaille, observam-se grossos pilares coríntios marmoreados, com os capitéis dourados, bem como um lambril de madeira que circunda todo o espaço. A zona de balcão situa-se à direita, por trás situam-se os expositores em madeira com talha trabalhada, a todo o comprimento da parede. As paredes, no salão, estão decoradas com painéis em forma de meia circunferência, com vistas dos jardins de Versailles, envoltos por uma moldura de espelho. Na zona sobreelevada (à qual se tem acesso por 3 degraus e está separada do salão por um corrimão em ferro), situa-se um vitral (de Ricardo Leone) com motivos florais ao centro, ladeado por dois medalhões onde estão representadas figuras humanas. As paredes laterais são preenchidas por espelhos. Na parede de fundo encontra-se ao centro um espelho de forma circular, a encimar a zona de passagem da loiça, à frente desta zona encontra-se um aparador em madeira que serve de móvel de apoio. Este conjunto central está ladeado por 2 portas encimadas por vitrais com motivos vegetais (de Ricardo Leone), que fazem a circulação entre a cozinha e a zona de atendimento; seguindo-se a zona de fabrico de pastelaria e escritório. Entre este conjunto e a zona sobreelevada encontra-se outra porta que dá acesso às instalações sanitárias do público. A cave tem 2 zonas diferenciadas, às quais se tem acesso por escadas, uma situada ao lado da cozinha, que dá acesso às instalações sanitárias do pessoal, e outra situada junto da zona de fabrico de pastelaria que dá acesso ao armazém. O tecto do salão está dividido por vigas, em 6 compartimentos, estando decorado com estuques brancos de gosto afrancesado que formam uma cercadura, observam-se ainda medalhões nos cantos onde estão representados, a óleo, cestos com flores; em cada compartimento encontra-se um lustre. O tecto da zona sobreelevada é decorado com uma sanca simples, tendo ao centro um lustre

Utilização Inicial

Residencial: edifício / Comercial: pastelaria

Utilização Actual

Residencial: edifício / Comercial: pastelaria

Propriedade

Privada

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 20

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITECTO: Manuel Joaquim Norte Júnior (1922). CONSTRUTOR: José Tomás de Sousa (1922).

Cronologia

1919 - entrada na CML do pedido de autorização para a construção do prédio; era seu proprietário João Antunes Lopes; 1922 - projecto de Manuel Joaquim Norte Júnior (1878-1962); construção do edifício por José Tomás de Sousa; 1987 - a proprietária, Angélica Nogueira das Neves, pede à CML que faça uma vistoria com vista ao regime de propriedade horizontal.

Características Particulares

Alguns elementos Arte Nova, no tratamento das guardas de ferro das janelas e da porta da entrada, bem como na varanda do 3º piso.

Dados Técnicos

Paredes autoportantes

Materiais

Alvenaria, cantaria, ferro, ardósia e telha.

Bibliografia

FRANÇA, José - Augusto, Os Anos Vinte em Portugal, 1.ª ed., Lisboa, 1992.

Documentação Gráfica

CML: Arquivo de obras, Proc. nº 3794

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID; CML: Arquivo Fotográfico, Fot. nº A 80916

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID, DGEMN/DSARH; CML: Arquivo de Obras, Proc. nº 3794

Intervenção Realizada

1921 - alterações interiores; 1922 - construção de um pequeno forno na pastelaria; 1927 / 1928 - limpezas e reparações interiores e exteriores; 1931 - obras de beneficiação; 1936 - diversos trabalhos no 4º andar, com reparação de tectos e paredes, substituição de sanitas, pintura de paredes; 1938 - limpeza e reparações interiores e exteriores; pintura da escada de serviço; 1939 - reparação da escada; diversos trabalhos na pastelaria Versailles; 1940 - obras de beneficiação periódica; 1946 - reparação de interiores na Versailles: substituição de alguns pavimentos de madeira por betonilha; obras no 4º andar, com substituição de mosaico na cozinha, reparações e caiações e pinturas em tectos, paredes e portas; 1947 - construção de um corpo anexo nas traseiras da Versailles, destinando-se à ampliação da casa do forno; outras obras na pastelaria, com a demolição do frontal longitudinal para a sua ampliação; construção de pilastras e eliminação de tabiques transversais, formando uma sala junto ao estabelecimento e servida por uma escada; construção de uma cave para instalações sanitárias; ampliação do vão central para o saguão, para guarnecer de vitral; ampliação das montras da fachada que dá para a avenida, levando armação de ferro forjado e chapas de vidro; 1949 - reparações interiores na Versailles; 1951 - reparação de escadas; 1952 - obras de beneficiação periódica; 1956 - obras interiores na Versailles, com limpezas e pinturas; substituição de mosaicos e azulejos; 1959 - obras de beneficiação geral e limpeza interior; 1960 - substituição da chaminé da Versailles; 1964 - obras de limpeza e beneficiação geral: 1967 - obras de conservação no interior; 1968 - reparações na canalização e no envidraçado interior do 1º andar; 1969 - obras interiores na Versailles, com reparações, limpeza e pinturas; 1970 - obras de reparação e consolidação no 1º andar; 1975 - obras de isolamento da empena; 1985 - obras de alteração interiores na Versailles, sem autorização; é aprovado um projecto de alterações na pastelaria (adaptação da casa a restaurante e salão de chá), com restauro das pinturas e ornamentação; substituição dos balcões por um corrido; instalação de novas mesas e cadeiras na parte sobrelevada da sala, revestindo o seu pavimento com carpete; criação de novas instalações sanitárias, revestidas a mármore; 2001 - obras; 2004 - recuperação da fachada principal, com reboco e pintura a amarelo, limpeza das cantarias e arranjo dos gradeamentos.

Observações

*1 - DOF: Edifício na Avenida da República, onde se encontra instalada a Pastelaria Versailles.

Autor e Data

João Silva 1992

Actualização

João Machado 2006
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login