Castelo de Pena de Aguiar / Castelo de Aguiar da Pena

IPA.00005795
Portugal, Vila Real, Vila Pouca de Aguiar, Telões
 
Arquitectura militar, românica. Castelo roqueiro românico composto por três espaços distintos, a barbacã, torre ou sala de seteira e acrópole, circundado por uma linha de muralha que forma um recinto inferior de planta sensivelmente circular.
Número IPA Antigo: PT011713110004
 
Registo visualizado 468 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Militar  Castelo    

Descrição

O castelo é constituído por dois tipos de estruturas: a parte monumental, na zona mais elevada, e outras estruturas defensivas na zona inferior. Existem vestígios de uma linha de muralha que formava um recinto inferior de planta sensivelmente circular que circundava o castelo. Esta muralha interrompe-se de encontro a enormes batólitos graníticos. Uma outra muralha forma uma compartimentação interna que dificultava o acesso ao reduto central da fortaleza. Esta muralha possuía uma porta - existem os encaixes da tranca, abertos num rochedo - e, sensivelmente a meio, os alicerces de um torreão circular. Na zona mais elevada, o núcleo monumental da fortaleza, é composto por 3 espaços distintos: barbacã, sala de seteira e acrópole. A barbacã forma um recinto quase rectangular a que se acede por uma porta de arco quebrado. Uma escada de pedra conduz, depois a um patamar intermédio e à sala de planta quase rectangular que possui na parede menor a única seteira ainda conservada. A porta da barbacã para a sala da seteira é em arco quebrado, representando a remodelação de uma anterior de arco de volta perfeita. A porta da sala da seteira para o último recinto que coroava a zona mais elevada conserva só uma das ombreiras. O último recinto é rodeado por uma muralha que acompanha a configuração do rochedo. Uma escada adossada permitia o acesso ao adarve. Aí se conserva o único compartimento ainda coberto, possuindo uma abóbada de canhão e uma abertura quadrangular superior. Sobre este compartimento abobadado - provavelmente utilizado como cisterna - existia uma sala de que resta apenas parte do seu piso lajeado.

Acessos

Lugar de Castelo, EN 2

Protecção

MN - Monumento Nacional, Decreto nº 28/82, DR, 1.ª série, n.º 47 de 26 fevereiro 1982

Enquadramento

Rural, isolado no alto de um penhasco granítico de difícil acesso, da serra do Alvão, junto da aldeia do Castelo, dominando o vale fértil de Vila Pouca de Aguiar.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Militar: castelo

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural / Cultural e recreativa: centro interpretativo

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Época Construção

Séc. 12 / 13

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Séc. 01 d.C. - Construção de um fortim militar romano para vigia da importante via Aquas Flavias (Chaves) a Lamecum (Lamego); séc. 11 - aquando da reconquista cristã da região, os reis de Leão recuperaram e reestruturaram a administração visigótica, recuperando a figura dos condados, altura em que se devem ter construído casas fortificadas que servissem de abrigo e protecção aos condes, senhores da terra; séc. 12, inícios / séc. 13 - construção da actual estrutura do Castelo de Aguiar; o castelo apoiou D. Afonso Henriques, tendo assim desempenhado um papel importante na independência nacional; séc. 14, finais do - obras na barbacã e na sala da seteira, evidentes no aparelho construtivo, desconhecendo-se porém se correspondem a uma ampliação dos espaços ou a trabalhos de consolidação; séc. 15, fins / 1527 - abandono definitivo da estrutura castelar; 1804, 28 Dezembro - informação de que a Província de Trás-os-Montes não tinha praça, forte ou fortaleza ou artilharia alguma de préstimo, devido à invasão espanhola de 1762 ter arruinado a Praça de Chaves, a de Bragança e a de Miranda, assim como alguns castelos; 1861, 23 Setembro - circular do Ministro da Guerra sobre a situação das fortificações da Província;

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Muralhas, paredes, escadas e lajeados em granito.

Bibliografia

BARROCA, Mário Jorge, MORAIS, António J. Cardoso, A Terra e o Castelo - Uma experiência arqueológica em Aguiar da Pena, Portugália, Nova Série, vol. VI - VII, Porto, 1985 - 1986, p. 35 - 116; JORGE, Susana Oliveira, Povoados da Pré-História Recente (IIIº - Inícios do IIº milénios a.C.) da Região de Chaves - Vila Pouca de Aguiar, Porto, 1986, p. 573 - 633; VERDELHO, Pedro, Roteiro dos Castelos de Trás-os-Montes, Chaves, 2000; Vila Pouca de Aguiar recupera Castelo Romano, Correio da Manhã, 31 Agosto, 2000.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID, DGEMN/DREMN

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID, DGEMN/DREMN

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID, DGEMN/DREMN; Arquivo Histórico Militar: 3ª divisão, 9ª Secção, Cx . 24, nº. 26

Intervenção Realizada

1982 / 1984 - Intervenções arqueológicas realizadas no castelo, da responsabilidade de Mário Jorge Barroca e António J. Cardoso Morais; 1982 / 1984 - Intervenções arqueológicas realizadas por Susana Oliveira Jorge na área do povoado Pré-Histórico; Câmara Municipal de Vila Pouca de Aguiar: 2000 - recuperação da área envolvente, coordenadas pelo Instituto Português de Arqueologia e co-financiadas pelo programa comunitário Leader II; criação de um Centro de Interpretação através da recuperação da casa junto ao castelo; criação de segurança no castelo.

Observações

O castelo foi cabeça militar da terra medieval de Aguiar da Pena. As escavações arqueológicas centraram-se no núcleo monumental do castelo, tendo também sido realizada uma sondagem na zona inferior. Para além do estudo da estrutura do monumento, a intervenção detectou a ocorrência de abundante espólio cerâmico e metálico de uso quotidiano, destacando-se ainda a documentação de uma linha de fundição de prata. Várias pontas de dardo e de seta evidenciam o carácter bélico da fortaleza. Numa plataforma inferior, a c. de 200 m do Castelo, existem vestígios arqueológicos de um povoado com várias fases de ocupação, apresentando estruturas habitacionais e defensivas desde a Pré-História Recente, Idade do Bronze Tardio e Final e de época Romana.

Autor e Data

Isabel Sereno e Ricardo Teixeira 1994

Actualização

Paula Noé 2003
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login