Povoado de Lovelhe / Estação arqueológica de Lovelhe

IPA.00006445
Portugal, Viana do Castelo, Vila Nova de Cerveira, União das freguesias de Vila Nova de Cerveira e Lovelhe
 
Aglomerado proto-urbano. Povoado da Idade do Ferro com ocupação romana, medieval e moderna. Povoado fortificado / castro com uma muralha construída em terra e fosso, possuindo no interior construções de planta circular e rectangular e um habitat aberto romano, desigando de "villa". Integra estruturas medievais. Povoado fortificado com construções intramuros dispostas em patamares, revelando remodelações. Forno cerâmico e forno metalúrgico; alicerce de igreja medieval.
Número IPA Antigo: PT011610080029
 
Registo visualizado 876 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Conjunto urbano  Aglomerado urbano  Povoado  Povoado da Época do Ferro  Povoado fortificado  

Descrição

Povoado fortificado proto-histórico, rodeado por uma muralha construída em terra, antecedida por um fosso, estando o sistema defensivo apenas conservado no flanco NO., albergando no seu interior construções pétreas de planta circular e rectangular, dispostas em patamares, resguardados por muros de contenção, verificando-se que este povoado sofreu uma remodelação de que é efeito visível, para além das mudanças de espólio ceramológico, as construções de planta rectangular e reformas noutras de planta circular. Este mesmo espaço foi renovado posteriormente, tendo-se nele instalado um importante habitat aberto romano ("villa") constituído por um grande edifício, que pela dimensão já conhecida assim como por alguns pormenores arquitectónicos devia revestir uma certa monumentalidade, devendo ter possuído dois pisos sobrepostos, dado que alguns paramentos da construção atingem c. de 3 m de altura.

Acessos

Lugar da Brea, junto à Estrada da Quinta do Forte. VWGS84 (graus decimais) lat.: 41,952222; long.: -8,739028 (ao lugar)

Protecção

Em vias de classificação (Homologado como IIP - Imóvel de Interesse Público, Despacho de 12 outubro 1979 do Secretário de Estado da Cultura)

Enquadramento

Rural, isolado, periférico, numa colina que geologicamente constitui um terraço fluvial, coberto de pinhal e com terrenos agrícolas, sobranceiro ao Rio Minho e superfície aluvial deste rio.

Descrição Complementar

O forno cerâmico, possivelmente atribuível ao período Suévo-Visigótico, implantado na zona que margina o rio, só conserva a câmara de aquecimento, com parede dupla delimitadora, com a face interior rebocada com barro. A câmara tem um comprimento de c. de 90 cm e uma largura de c. de 80 cm, estando dividida por duas ordens de colunas em silhares graníticos, não consevando grelha. A passagem da boca para a câmara é constituída por uma passagem rectangular construída com lajes. Os vestígios da igreja medieval encontram-se a NO. da actual, na vertente N. do outeiro. O espólio da estação proto-histórica / romana / medieval é constituído por fragmentos de cerâmica comum, da Idade do Ferro e romana, cerâmica de importação romana, recipientes em vidro, ânfora, "tegula", "imbrex", mós manuárias rotativas, elementos numismáticos, artefactos metálicos, fíbulas em bronze, objectos de adorno, peças de joalharia em ouro e bronze.

Utilização Inicial

Não aplicável

Utilização Actual

Não aplicável

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Época Construção

Idade do Ferro

Arquitecto / Construtor / Autor

Não aplicável

Cronologia

Idade do Ferro - construção do povoado que ocupou toda a área da colina; séc. 01 a.C. - primeira ocupação; Época romana, baixo império - algumas remodelações do edifício da "villa"; período Suévico-Visigótico remodelações no mesmo edifício, numa altura em que o espaço residencial era diminuto, mas reaproveitando parte da estrutura precedente; séc. 17 - construção do Forte de Lovelhe na colina; séc. 19 / 20 - transformações na colina, sobretudo na vertente voltada ao rio, com organização de campos em socalcos com terras arrastadas dos pontos mais elevados; construção da linha férrea, ocupando o antigo fosso do povoado fortificado; construção da estrada que cortou uma parte dos muros das "vilae"; e aterro dos campos que se estendiam até à linha de água.

Dados Técnicos

Fosso escavado no afloramento; paredes autoportantes; muralhas construídas em terra; construções com silhares assentes em seco ou ligados com argamassa, em aparelho poligonal e irregular, constituídas por dois paramentos paralelos preenchidos interiormente com pedra miúda; cunhais e ombreiras com silhares bem aparelhados e por vezes almofadados; lareiras estruturadas com tijoleiras; caleiros estruturadas com lajes; forno de estrutura pétrea, de parede dupla com colunas de sustentação da grelha em silhares.

Materiais

Muralha em terra; construções em granito; cobertura de construções em materiais perecíveis e com "tegula" e "imbrex"; pavimentos das construções em terra batida e barro; pavimento de saibro com orla de ladrilhos quadrangulares; pavimento de mosaico; caleiros em lajes graníticas; forno em granito.

Bibliografia

VIEIRA, José Augusto, O Minho Pittoresco, 1, Lisboa, 1886, p. 144 e 147; ALMEIDA, Carlos A. Brochado de, l, Forte de Lobelhe, Informação Arqueológica, 7, Lisboa, 1986, p. 91 - 92; ALMEIDA, Carlos A. Brochado de, l, Forte de Lobelhe, Informação Arqueológica, 9, Lisboa, 1994, pp. 31 - 33; http://www.patrimoniocultural.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/342051 [consultado em 11 janeiro 2017].

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

1985 / 1990 - Escavação arqueológica de responsabilidade de Carlos Alberto Brochado de Almeida; Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira: 1988 - cobertura de estruturas; 1992 - vedação de alguns sectores das ruínas; 1992 / 1993 - trabalhos de conservação e restauro de responsabilidade de Carlos Alberto Brochado de Almeida; 1995 - escavação arqueológica de responsabilidade de Carlos Alberto Brochado de Almeida.

Observações

A reconstituição das estruturas da "villa" está assinalada pela separação marcada por placas de mármore; o espólio proveniente das escavações arqueológicas está depositado na Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira.

Autor e Data

Paulo Dordio e Paulo Amaral 1995

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login