Casa na Avenida Cinco de Outubro, n.º 207 - 215 / Moradia António Maria Bravo

IPA.00007769
Portugal, Lisboa, Lisboa, Avenidas Novas
 
Arquitectura residencial, modernista. Casa de habitação unifamiliar na linha Art Déco.
Número IPA Antigo: PT031106230477
 
Registo visualizado 374 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

Categoria

Monumento

Descrição

Planta rectangular de volumetria paralélepipédica com cobertura efectuada a 4 águas. Edifício constituído por 3 pisos com cave e com garagem exterior a S.Fachada principal:3 pisos preenchem o pano de maiores dimensões. A N. varandas quadrangulares amplas criadas pela vazio recortado a partir do 2º piso. 1º com embasamento de pedra rústica emparilhada tendo na zona de cave 3 abertura de vãos para iluminação. Acesso ao interior por porta rectangular de madeira situada no pano das varandas. Em todos os pisos, abertura de 3 vãos em todos os pisos sendo os do 2º piso, janelas de sacada com guarda de ferro trabalhada com motivos florais. Na base destas, floreira de pedra estilizada servindo de mísula ladeada por volutas. Entre o 2º e 3º pisos, paineis de mosaico sobrepostos por cornija que serve de base a 3 janelas de peito enquadradas por pequenas pilastras. A rematar todo o edifício, friso de mosaico sob beirado com decoração geométrica. Fachada N. : de maiores dimensões que a principal é composta por corpos distintos que representam espaços diferenciados da planta. No plano base vãos de janela simples com pequeno peitoril de pedra com guarda de ferro ao nível dos pisos superiores. No 1º piso, à esq. pequeno vitral rectangular seguido de porta com pala em form a de concha de vidro e estrutura de ferro. Esta porta está ladeada por 2 pequenas janelas de peito que dão iluminação ao vestíbulo. A porta encontra-se num dos panos avançados que é rasgado verticalmente por 3 vãos que se alternam com vitrais e paineis de mosaico. O outro pano destacado, mais a O. corresponde a uma área de varandas fechadas com uma série de 3 vãos por piso decorados por 3 paineis de mosaico quadrangulares com desenho de um floreira. A sustentar este pano destacado, 4 grandes mísulas sobre os vãos do 1º piso. Fachada posterior: orientada a O. é composta por amplas varandas tripartidas divididas por colunas de cantaria adornadas por vitrais nos extremos. Acesso ao 1º piso através de escadaria da esq. para a direita . Retantes pisos compostos por 2 vãos nos corpos laterais e à dir. da fachada, escada de serviço de ferro.

Acessos

Avenida Cinco de Outubro, n.º 207 - 215. WGS84 (graus decimais) lat.: 38,743004, long.: -9,149510

Protecção

IIP - Imóvel de Interesse Público / ZEP, Portaria n.º 76/2008, DR, 2.º Série, n.º 21 de 30 janeiro 2008

Grau

5 - registo em pré-inventário com um preenchimento mínimo dos campos… e pressupondo a existência de um registo iconográfico.

Enquadramento

Urbano, isolado. Moradia flanqueada por prédio de rendimento a S. e restante terreno a N. formando pequeno jardim e espaço para estacionamento de automóveis.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Residencial: casa

Utilização Actual

Residencial: casa

Propriedade

Privada

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 20

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITECTO: Manuel Maria Cristóvão Laginha (1956-1958); Porfírio Pardal Monteiro (1926); Rogério Martins (1956-1958). CONSTRUTOR: Amadeu Gaudêncio. ENGENHEIRO: José Nóbrega (1929).

Cronologia

1926 - ano da elaboração do projecto para Felix Ribeiro Lopes, da autoria de Porfírio Pardal Monteiro; 1929 - construção do edifício; construção de uma capoeira a Poente do terreno, conforme projecto do engenheiro José Nóbrega; 1930 - recebe o Prémio Valmor correspondente ao ano de 1929, fundamentando o júri esta atribuição "no facto (do) prédio ser um belo exemplar da arquitectura moderna, impondo-se pelo equilíbrio das suas proporções, pela harmonia da sua decoração e pelo cuidadoso estudo dos pormenores" (Parecer assinado por João Antunes, Adães Bermudes e José Coelho, in Bairrada, p.141); 932 - projecto de garagem com acesso através da Avenida Cinco de Outubro; 1956 - projecto de garagem e adaptações no edifício principal de autoria do arquitecto Manuel Laginha (em colaboração com Rogério Martins enquanto esteve ausente do país), encomenda do novo proprietário António Diogo Bravo; 2005 - demolição da garagem original na zona do jardim; 2006 - por despacho do Vice-Presidente do IPPAR, datado de 21 de Março, foi determinada a abertura do processo para eventual classificação do imóvel, estando desde 5 de junho "em vias de classificação".

Características Particulares

É neste momento das poucas moradias que se mantêm na Avenida Cinco de Outubro e sem grandes alterações no edifício.

Dados Técnicos

Estrutura autoportante

Materiais

Alvenaria mista, betão armado, pedra, madeira, vidro, ferro forjado, mosaico, telha marselha, vitral

Bibliografia

Guia Urbanístico e Arquitectónico de Lisboa, Lisboa, AAP, 1987; BAIRRADA, Ed. M., Prémio Valmor. 1902-1952, Lisboa, 1988; LEITE, Ana Cristina (dir.), Arquitectura Premiada em Lisboa. Prémio Valmor - Prémio Municipal de Arquitectura, Lisboa, CML, 1988; JANEIRO, Mª de Lurdes; FERNANDES, José Manuel, Arquitectura Modernista em Lisboa, 1925-1940, Lisboa, CML, 1991; FERNANDES, José Manuel, Arquitectura Modernista em Portugal, Lisboa, Gradiva, 1993; Plano Director Municipal, Lisboa, CML, 1995; CALDAS, João Vieira, Pardal Monteiro - Arquitecto, Lisboa, AAP, 1997; PACHECO, Ana Assis, Porfírio Pardal Monteiro, 1897-1957, A obra do Arquitecto, UNL, 1998.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/Arquivo Pessoal Manuel Laginha ML NP 930, DGEMN/Arquivo Pessoal Porfírio Pardal Monteiro

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

CML: Processo de obra nº 37689; IPPAR: processo nº 82/3 (081)

Intervenção Realizada

1930 - ampliação da vedação; 1939 - obras de conservação, com pinturas e reparações gerais; 1942 - reparação da escada de serviço; 1945 - legalização da escada do aviário (agora composto por dois pisos); reparações no piso independente; 1947 - limpeza e pinturas; 1952 - obras de conservação; 1956 - colocação de duas novas instalações sanitárias no 2º piso bem como ligação por meio de escada independente da sala de estar do 1º piso à equivalente no 2º. *1; construção de garagem rectangular com zona de estendal e viveiro de aves adossados; 1966 - obras de conservação; 1968 - limpezas gerais e beneficiações; 1983 - reparações exteriores (reboco e pinturas).

Observações

EM ESTUDO *1- "de acordo com as exigências da vida moderna e com os conceitos do gosto pessoal do que questões que possam afectar a concepção inicial do imóvel que se mantém intacta." (Memória descritiva do arq. Manuel Laginha-1956)

Autor e Data

Luísa Castro-Caldas 2006

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login